Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

“Íman” africano volta a chamar treinador português agora para o futebol angolano

Logótipo de LusaLusa 27/01/2017 Paulo Julião
ANTÓNIO COTRIM/LUSA FILES © LUSA / ANTÓNIO COTRIM ANTÓNIO COTRIM/LUSA FILES

Luanda, 27 jan (Lusa) - O treinador português Sérgio Traguil estreia-se em fevereiro no Girabola de futebol, dando continuidade em Angola à carreira que iniciou em 2009 e tem em África uma espécie de "íman", como assumiu em entrevista à agência Lusa.

Aos 36 anos, já leva no currículo clubes da Nigéria e do Gana, além de Portugal, e volta agora à terra da mãe e onde nasceram os irmãos, Angola, para liderar o Santa Rita de Cássia, do Uíge, surpreendente estreante no Girabola de 2017, cerca de um ano e meio depois da fundação.

"O meu sangue é africano, a minha família é originária de Angola. É tipo um íman, parece que está sempre a puxar-me para estes lados. Adoro o futebol africano, existe um talento enorme em todos os países por onde tenho passado", contou Sérgio Traguil.

Em Angola desde o início de janeiro, o português, que tem no currículo, além das escolas do Benfica, clubes como o Atlético Clube Portus Alacer, Estrela de Portalegre ou os nigerianos Kaduna United, Elite Football Academy e AGO FC, assumiu o desafio de manter o clube do centro norte, província conhecida pela produção de café, entre os maiores do futebol angolano.

"O nosso objetivo é a manutenção. Não vamos andar aqui a criar filmes, situações irreais. Penso que 32 pontos serão suficientes, mas eu quero mais", afirmou, em Luanda, onde a equipa está há duas semanas a preparar o arranque do Girabola.

Em dezembro de 2016, rescindiu com o Hearts of Oak, da primeira divisão do Gana, um dos maiores do país "com milhões de adeptos" e que chegou a levar à liderança, para assinar um contrato de dois anos com o clube da província angolana do Uíge.

Em poucos dias, o contrato passou a ter uma opção de mais três anos e uma cláusula de rescisão de um milhão de dólares (cerca de 940 mil euros), com a direção a querer blindar o assédio da concorrência.

"Sei que já houve conversas [interesse de outros clubes angolanos], mas só penso no Santa Rita", assegurou o português, que orienta agora 30 jogadores, entre "rapazes da terra" e de outros pontos do país. Também congoleses, nigerianos, ganeses e até um brasileiro, num plantel que admite ser "extenso", mas necessário, para criar a mística com jogadores da província.

"A direção fez uma aposta em mim, com uma cláusula avultada. Penso que continuarei aqui uns belos anos", frisou.

Fundado a 29 de agosto de 2015, campeão provincial e da ‘Segundona’ (segunda divisão) em 2016, o Santa Rita de Cássia FC representa o regresso do Uíge ao campeonato maior de futebol em Angola, graças à mobilização do apoio de empresários locais e do governo da província.

O orçamento para toda a época ronda os 450 milhões de kwanzas (2,5 milhões de euros), com o presidente do clube a garantir que será suficiente até terminar a competição de 2017 e assegurar a manutenção no Girabola.

"Somos um clube poupado e honrado", começou por explicar, à Lusa, Nzolani Pedro, assumido devoto de Santa Rita de Cássia, conhecida como a santa das causas impossíveis.

"O Santa Rita de Cássia é uma equipa ‘santa' e por isso tem de ser diferente dos outros. Aqui não há os milhões que os outros clubes pagam", referiu o presidente.

O dirigente é um crítico das verbas que alguns clubes angolanos gastam no futebol, em contratos que acabam por não ser cumpridos, levando até a greves, como no Girabola de 2016.

"Temos fé que vamos cumprir o nosso objetivo, de manutenção. Estamos muito satisfeitos com o professor Sérgio e com a sua forma de trabalhar, foi uma surpresa positiva. Pena não ter chegado mais cedo", assume Nzolani Pedro.

O Girabola arranca a 11 de fevereiro, prolongando-se até final de outubro de 2017.

Sérgio Traguil já prepara a receção na cidade do Uíge ao Recreativo do Libolo, vencedor da Supertaça e da Taça de Angola em 2016 e do Girabola em 2015 e 2014, e logo na jornada de estreia terá pela frente outro português: Carlos Vaz Pinto, que em 2017 troca a Académica do Lobito pela formação do Cuanza Sul.

PVJ // NFO

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon