Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

3 mil militares de elite à disposição de 12 cidades

Sportinveste 10/06/2014 Fonte: Sportinveste Multimédia

Uma tropa especial, com cerca de 3.000 soldados brasileiros, foi colocada à disposição de cada uma das 12 cidades que vão acolher os jogos do Mundial'2014 para actuarem em caso de "emergência", avançou o chefe das Forças Armadas.

"Esses 3.000 homens não estarão nas ruas, ou na Vila Militar, mas em locais próximos, prontos a actuar, caso seja solicitado", afirmou o general José Caros de Nardi, numa conferência de imprensa sobre os detalhes do plano de segurança para a prova.

O efectivo em questão é visto como uma "ajuda extra", para além de toda a estrutura que já atua fazendo a guarda de hotéis, aeroportos, rotas de delegações e proximidade dos estádios, onde a segurança é de responsabilidade das Forças Armadas brasileiras.

Os protestos e manifestações populares que venham a ocorrer fora da órbita dos estádios estarão a cargo da Polícia Militar, subordinada ao governo dos estados.

A tropa de contingência é vista como uma opção estratégica em caso de manifestações violentas ou mesmo greve de polícias militares ou federais.

Para que a tropa especial em questão entre em acção, a decisão deverá partir do governador de cada estado, que precisará de enviar um pedido oficial à presidente da República, Dilma Rousseff, a quem caberá autorizar o seu uso.

No total, actuarão na segurança do Mundial'2014 57 mil efectivos das Forças Armadas, além de 100 mil polícias (militar e Federal) e 20 mil agentes de segurança privados, divididos em 15 cidades, incluindo, além das 12 cidades-sedes, municípios em que há delegações estrangeiras hospedadas.

A decisão sobre o tamanho do comboio a acompanhar cada delegação foi tomada em função de estudos de inteligência, que classificaram o nível de risco de cada selecção, levando em conta questões desde o grau de vulnerabilidade a ataques terroristas até à rivalidade desportiva histórica com outras equipas.

O representante da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Ronaldo Abralham, evitou divulgar a lista das selecções que despertam maior preocupação, mas admitiu que os norte-americanos, adversários de Portugal no Grupo G, estão entre os sete primeiros do ranking.

A selecção dos Estados Unidos chegou na segunda-feira ao Brasil, acompanhada de policiamento ostensivo. Os jogadores americanos estão hospedados em São Paulo, onde na segunda-feira houve confronto entre polícias e funcionários do metro em greve.

Fonte: O Jogo

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon