Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Açores criam sistema de emergência para deficientes auditivos e da fala

Logótipo de O Jogo O Jogo 21/07/2017 Administrator

O sistema de emergência dos Açores tem desde hoje um serviço específico para deficientes auditivos e da fala, que lhes permite pedir auxílio através de uma mensagem escrita.

"Criámos um sistema muito simples, em que a partir do telemóvel a pessoa, estando inscrita na nossa base de dados, pode escrever uma mensagem de texto e ela ser recebida aqui e despoletar todo o sistema de emergência e socorro", adiantou o secretário regional da Saúde, que tutela a Proteção Civil.

Rui Luís falava, em declarações aos jornalistas, à margem da inauguração do novo sistema de emergência para deficientes auditivos e da fala, na sede do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA), em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, onde está localizada a sala de atendimento e gestão de emergências do arquipélago.

Para terem acesso a este serviço, os utentes têm de preencher uma ficha de inscrição com os seus dados, disponível na página na Internet do SRPCBA (www.prociv.azores.gov.pt) e na Associação de Surdos da Ilha de São Miguel.

Em situação de emergência, é necessário apenas enviar uma mensagem por escrito com o tipo de emergência e a sua localização.

Através do número de telemóvel, as equipas de emergência terão acesso aos dados fornecidos na ficha de inscrição para facilitar o socorro.

Segundo o secretário regional da Saúde, a medida dá resposta a uma lacuna detetada no sistema de emergência dos Açores, que não previa um atendimento específico para pessoas com problemas auditivos ou de fala.

"O sistema 112 teve recentemente um prémio europeu de reconhecimento pela forma como estava instalado nos Açores e pela maneira dispersa pelas ilhas como estávamos organizados, mas tínhamos essa lacuna. Aliás, ela surgiu por parte de uma doente oncológica que sentiu necessidade de contactar o serviço e por um problema que tinha na garganta não o conseguia fazer", salientou.

O Governo Regional estima que o novo serviço possa ser utilizado por pelo menos 1.050 pessoas que se sabe terem deficiência auditivas na região, havendo, entre essas, 557 com surdez profunda.

No entanto, os pedidos de auxílio por mensagem escrita estarão disponíveis também para pessoas com problemas de audição ou fala pontuais.

"Este sistema também está aberto a um conjunto de pessoas que, por alguma circunstância na sua vida, por terem tido um AVC [acidente vascular cerebral] ou alguma operação cirúrgica, não possam falar ou ouvir momentaneamente", explicou Rui Luís.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon