Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

A Barraca leva à cena "Mariana Pineda" de Federico García Lorca

Logótipo de O Jogo O Jogo 09/10/2017 Administrator

A peça "Mariana Pineda" de Federico García Lorca, com encenação de Maria do Céu Guerra, protagonizada por Rita Lello, estreia-se na terça-feira, em Lisboa, no Cinearte, pela companhia A Barraca.

A peça do dramaturgo espanhol é baseada na vida de Mariana de Pineda Muñoz (1804-1831), que se destacou na resistência liberal ao rei Fernando VII, que em 1814 restaurou o absolutismo e suspendeu a Constituição de Cádis.

Em comunicado, A Barraca realça que García Lorca (1898-1936) "evitou o tratamento político da protagonista, fazendo dela uma personagem romântica, uma amorosa de profundo recorte ético".

Se a opção de Lorca foi "criar uma heroína da liberdade em tempo de opressão, apoiou o texto politico com uma história de amor, que se ergue contra o abuso do homem sobre a vontade da mulher, amor que prefere a morte a ceder à prepotência".

A peça, escrita entre 1923 e 1925, foi levada à cena, pela primeira vez, em 1927, dirigida pelo autor, e com cenário de Salvador Dali, tendo sido protagonista a atriz Margarita Xirgú, "interprete maior de Lorca", e de quem era amiga. Pintor e atriz colaboravam com a companhia teatral La Barraca, criada por Lorca, "cujo projeto inspirou A Barraca de Portugal".

O dramaturgo escreveu a música e fez desenhos para esta peça, "onde trabalhou a lenda e não a história da heroína romântica, dividiu a obra em quadros, escreveu-a em verso, e fê-la acompanhar de canções", lê-se no mesmo comunicado.

O poeta Miguel Martins traduziu a versão que A Barraca leva a cena e procurou "chegar à linguagem supostamente ingénua de Lorca, pois é de uma lenda que se trata".

"Chegar ao povo era o objetivo de 'A Barraca' de Lorca", afirma a companhia portuguesa com sede no Cinearte, no bairro lisboeta de Santos-o-Velho.

A peça conta com a participação das cantoras Adriana Queiroz e Mariana Abrunheiro e do músico José Pato, que "representarão o erudito e o popular da música de Federico García Lorca, entre o pranto e a festa".

Além de Rita Lello, Mariana Abrunheiro e Adriana Queiroz, o elenco é constituído por Paula Guedes, João Maria Pinto, Ruben Garcia, Sérgio Moras, Adérito Lopes, Sónia Barradas, Samuel Moura, Cláudio Castro, Henrique Abrantes e Carolina Medeiros.

O escultor Miguel Figueiredo é o autor da cenografia que segue os esboços de Lorca e os figurinos são de Maria do Céu Guerra.

Mariana Pineda, com 27 anos, foi condenada ao garrote a 26 de maio de 1831. "Em Portugal, país de tolerância, a partir de D. Maria I [que reinou de 1777 a 1815], deixou de vigorar a pena de morte aplicada a mulheres", realça A Barraca, que assinala que se celebram este ano em Portugal os 150 anos da Abolição da Pena de Morte, o que "torna este espetáculo particularmente marcante mormente quando em muitos Estados se fala em rasgar este ato grandioso em que Portugal teve um papel de vanguarda".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon