Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Acidentes de viação causam mais de mil mortos em Angola no primeiro semestre deste ano

Logótipo de O Jogo O Jogo 13/10/2017 Administrator

As estradas angolanas registaram, no primeiro semestre deste ano, 1.195 mortes e 5.248 feridos, a maioria por atropelamentos, de um total de 4.745 acidentes, contudo uma redução comparativamente ao mesmo período de anos anteriores, informou hoje a polícia.

Os dados, hoje avançados pelo chefe de departamento de comunicação institucional e imprensa da Direção Nacional de Viação e Trânsito, superintendente-chefe Angelino Sarrote, referem ainda que lideram a lista da sinistralidade angolana as províncias de Luanda, Benguela e Huambo.

O responsável considerou "ainda sombrio" o quadro de acidentes de viação, a segunda causa de morte no país, depois da malária, no país, apesar da diminuição de casos, salientando que continua preocupante os seus efeitos.

"Temos uma redução de aproximadamente três mortes diárias, era uma média de dez passamos para uma média de sete. Tínhamos uma média diária de 35 feridos e baixou para 29, só isto já faz com que nos sintamos um pouco mais aliviados", disse em declarações à rádio pública angolana.

Segundo Angelino Sarrote, tem contribuído para a redução dos acidentes a sensibilização nas comunidades sobre a prevenção rodoviária levada a cabo nos últimos anos pela Direção Nacional de Viação e Trânsito.

"A Direção Nacional de Viação e Trânsito tem gizado várias formas de combate à sinistralidade rodoviária e deixamos de ter uma estratégia de atuação mais virada àquela que é a comunicação abrangente e passamos para aquilo que é a comunicação mais terra-a-terra, ou seja, nós vamos ao encontro das comunidades, para poder passar a informação sobre prevenção rodoviária", frisou.

Recentemente, o Presidente angolano, João Lourenço, lamentou "perdas humanas dolorosas" devido a três acidentes de rodoviários, em um dia, que provocaram a morte de 16 pessoas nas províncias da Huíla e Uíge, exortando a necessidade de cumprimento rigoroso das medidas que promovem uma condução mais segura nas estradas para que se evitem perdas humanas.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon