Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"Ainda não desisti de vingar no Sporting"

Logótipo de O Jogo O Jogo 16/05/2017 Alcides Freire

Reforço para 2016/17, proveniente do Aalborg, Lukas Spalvis lamenta não ter conseguido apresentar-se nas condições físicas ideais nas duas hipóteses de cedência que teve, a Belenenses e Rosenborg

© Filipe Amorim/Global Imagens

Lukas Spalvis tem enfrentado um autêntico calvário desde que ingressou no Sporting, motivado por sucessivos problemas físicos - começou com uma rotura do ligamento cruzado anterior e do menisco interno do joelho direito -, que o levaram a perder o comboio na pré-temporada 2016/17, e uma cedência gorada ao Belenenses e ao Rosenborg, em janeiro. Ainda assim, o avançado internacional lituano, em entrevista à TV2 Nord, da Dinamarca, assegurou que se sente com capacidade para "conseguir vingar no Sporting".

O goleador recrutado ao Aalborg no último defeso sustentou a sua crença. "Sei que posso voltar depois de uma lesão e marcar golos. Se já o fiz anteriormente [em 2013/14], então porque não serei capaz de fazê-lo duas vezes? Só procuro pensar de forma positiva. No Sporting, em Lisboa, é mais fácil devido ao tempo e bom ambiente. Não é simples, mas é possível. Basta ter calma, trabalhar duro, ser focado e acreditar no que se faz", defendeu. Spalvis lamentou os episódios vividos no Belenenses e Rosenborg, onde chegou a ser cedido por empréstimo, mas os acordos acabaram por ser revogados devido às questões físicas. "Treinei algumas semanas, senti-me bem e então pensei que poderia jogar. Fui para o Belenenses, mas a decisão clínica provavelmente não era tão clara como pensei e eu precisava de mais algumas semanas de treino. Depois, no Rosenborg, já conseguia saltar com as duas pernas e fazia o mesmo com os dois pés, mas os médicos pensaram que eram precisos mais dois meses de recuperação. Foi uma situação estranha. Vesti a camisa do Rosenborg e treinei, mas não com a equipa, apenas sozinho. Por isso estive mais à espera do que a treinar. Era difícil estar lá todos os dias sem saber o que ia acontecer. Foi duro, não quero entrar em detalhes, mas não conseguimos chegar a um acordo e tive de voltar ao Sporting", revelou, sem arrependimentos por ter ingressado nos leões: "É um clube grande e que tem um ambiente bom e profissional. Estava a correr tudo bem... nas primeiras semanas."

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon