Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Alarcón, o líder da Volta, foi do desemprego à W52-FC Porto e já bate Quintana

Logótipo de O Jogo O Jogo 06/08/2017 Hugo Monteiro
© Nuno Veiga/Lusa

W52-FC Porto foi buscar Raúl Alarcón há dois anos, quando o natural de Alicante estava no desemprego.

A W52-FC Porto foi buscar Raúl Alarcón, líder da Volta após a primeira etapa, há dois anos, quando o natural de Alicante estava no desemprego, depois de ver desfeito o sonho de uma carreira internacional com o fim da equipa Saunier Duval. Voltou a correr como amador, relançou-se como profissional em Portugal, com Efapel e Louletano, mas estava quase a terminar a sua carreira no ciclismo quando lhe apareceram os portistas. O seu talento já se vira o ano passado e explodiu neste: vitórias nas Astúrias (etapa e geral, à frente de Quintana), etapa e segundo da geral em Madrid, etapa no GP das Beiras, duas etapas no Grande Prémio JN e agora triunfo na Volta. Será que já acabou?

"Estou há tantos anos aqui, que vestir pela primeira vez a camisola amarela na Volta a Portugal é especial. Já tinha ganho uma etapa em 2013, mas sem a camisola", comentou Raúl Alarcón em Setúbal, sabendo que "especial" é um termo que se aplica a toda a sua época. O natural de Alicante já bateu Nairo Quintana na Volta às Astúrias e voltou a brilhar na sua especialidade: as acelerações a poucos quilómetros da meta.

"Sabíamos que a Efapel ou outra equipa iria atacar na parte final e estávamos atentos. Quando o grupo da dianteira estabilizou, recebi um sinal... Sabia que faltava pouco para a meta e sofri, sofri", narrou o espanhol da W52-FC Porto-Mestre da Cor sobre a sua fuga já na descida da Serra da Arrábida para Setúbal. "Gosto de finais com topos seguidos de descidas a poucos quilómetros da chegada. Sou explosivo", contou ainda, dando uma garantia: "Continuamos no apoio ao Gustavo. Ele é o líder e vamos respeitá-lo."

Divertindo-se no pódio com Amaro Antunes, o colega que foi segundo, Alarcón diz não saber "o que se passará amanhã" e destaca que pelo menos já tem esta vitória. A concorrência, admite o portista, é de respeito. "O Marque está muito forte e tem uma boa equipa", admitiu sobre os leões.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon