Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Alemanha/Eleições: Portugal saúda Merkel e confia na "intransigência" perante "atitudes antidemocráticas"

Logótipo de O Jogo O Jogo 25/09/2017 Administrator

O Governo português saudou hoje a reeleição de Angela Merkel na Alemanha e manifestou preocupação com a subida da extrema-direita, mas disse confiar na intransigência da chanceler e do provável líder da oposição face a "atitudes antidemocráticas e antieuropeias". "Saudamos a vitória da chanceler Angela Merkel, saudamos a força vencedora [União Democrata-Cristã (CDU)]", declarou à Lusa, por telefone, o ministro dos Negócios Estrangeiros português, ...

O Governo português saudou hoje a reeleição de Angela Merkel na Alemanha e manifestou preocupação com a subida da extrema-direita, mas disse confiar na intransigência da chanceler e do provável líder da oposição face a "atitudes antidemocráticas e antieuropeias".

"Saudamos a vitória da chanceler Angela Merkel, saudamos a força vencedora [União Democrata-Cristã (CDU)]", declarou à Lusa, por telefone, o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, que se encontra em Luanda, a acompanhar a deslocação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, para participar na cerimónia de posse do novo chefe de Estado angolano, João Lourenço.

O chefe da diplomacia sustentou que "há evidentemente todas as condições para se formar um Governo forte e estável na Alemanha", apesar de a negociação poder ser "mais complexa", uma vez que provavelmente envolverá mais do que dois partidos.

Mas, salientou, a decisão do Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD) de passar à oposição - terminando assim a 'grande coligação' que governou o país nos últimos quatro anos -, "significará que a liderança da oposição no parlamento alemão estará numa força pró-europeia, democrática e muito madura".

Por outro lado, o Governo português lamenta a subida do partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD), que se tornou a terceira força parlamentar na Alemanha.

"É um elemento de preocupação", comentou Santos Silva, que admitiu que não esperava "uma expressão tão significativa".

O governante português referiu que, até à eleição deste domingo na Alemanha, "o que se tinha verificado era um recuo da extrema-direita", em eleições legislativas e presidenciais na Áustria, Holanda e França.

Santos Silva sublinhou no entanto que quer a chanceler Angela Merkel quer o "agora provável futuro líder da oposição, Martin Schulz, têm dado ao longo da sua vida política provas mais que suficientes da sua intransigência para com valores e atitudes antieuropeias e antidemocráticas".

"Tenho plena confiança em qualquer um dos dois", declarou.

O ministro destacou ainda que "os alemães votaram, na sua grande maioria, em forças que defendem a integração europeia e o aprofundamento da integração europeia".

A CDU de Merkel, no poder há 12 anos, venceu as legislativas de domingo, embora enfraquecida pela subida da extrema-direita, e pelo baixo resultado que obteve (33%), que a obrigará a negociações para uma coligação.

O partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD) conseguiu uma vitória histórica, ao assegurar a entrada direta no parlamento federal e constituir-se como terceira força política do país, com 12,6% dos votos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon