Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Amaro Antunes em exclusivo: líder do ranking nacional explica sucesso da W52-FC Porto

Logótipo de O Jogo O Jogo 12/07/2017 Hugo Monteiro

Amaro Antunes lidera o ranking nacional e festejou o quarto êxito internacional do ano. Treinos em montanha e a força da W52-FC Porto são os segredos.

Amaro Antunes já está a caminho da Serra Nevada, pico espanhol onde realizará mais um estágio de altitude, fazendo uns dias de concentração máxima juntamente com os colegas da W52-FC Porto. O foco é a prova-rainha do nosso ciclismo - "a Volta está a ser preparada desde maio", confessa a O JOGO - e a época, acrescente-se, soma motivações atrás de motivações.

Qual o significado da vitória no GP Joaquim Agostinho? O que sente?

-A vitória deixa-me muito feliz. É importante, claro que é, triunfar num prémio com o nome de Joaquim Agostinho, e tem um sabor especial precisamente pelo significado da prova em si e pelo trabalho da equipa. Fiquei - e estou - bastante satisfeito.

Acreditou sempre poder ganhar, mesmo com dois rivais do Sporting-Tavira [Nocentini e Figueiredo] a escassos segundos?

-Fizemos a nossa corrida. Com a amarela vestida, a ideia era conservá-la, mas só se pode cantar vitória quando cortamos a linha de meta. Correu tudo bem e a equipa foi o máximo.

Começou muito bem a época, na Volta ao Algarve e depois na Arrábida, e agora, às portas da Volta a Portugal, continua em forma...

-Tinha planeado uma época assim. Entrar forte, fazer um bom início, depois descansar um bocado, embora um descanso ativo, para não perder a forma, e agora, com a proximidade da Volta a Portugal, acredito que, neste contexto, a boa forma voltará a aparecer.

Na montanha tem dado cartas, com triunfos no Malhão, Arrábida e Montejunto. Está cada vez mais forte no seu terreno?

-Tenho feito um trabalho específico nesse sentido, com estágio em altitude e o foco na montanha. Está a dar frutos. E sinto-me bem a subir, é o meu terreno preferido, já se sabe.

Por falar em altitude, está a caminho da Serra Nevada...

© Pedro Correia/Global Imagens

-É verdade. Vamos de novo para um período de estágio, para preparar a Volta a Portugal o melhor possível, mas desta vez o foco não é só a montanha. A equipa vai treinar em todos os terrenos.

Como se prepara uma Volta a Portugal?

-Está a ser preparada desde maio, mas agora, naturalmente, é um trabalho mais específico, em altitude e com alta montanha. Vamos estar muito concentrados e a treinar bem, ao mesmo tempo que o descanso também é essencial, sobretudo por fazermos muitos quilómetros de montanha. Em casa acaba sempre por surgir qualquer coisa mais para fazer, enquanto no estágio é treinar e repousar. Ao mesmo tempo, reforçamos o espírito de equipa.

Esperava uma época tão positiva até à data?

-Não estou surpreendido. Por outras palavras, estou imensamente feliz e bem-disposto, pronto a dar continuidade ao trabalho, e, é óbvio, ainda mais motivado.

O primeiro lugar do ranking nacional é mais um motivo para festejar?

-Claro que sim. Esta vitória no GP Joaquim Agostinho é mais um passo para continuar a liderar e para procurar manter a posição.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon