Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Ambiente, mobilidade e desenvolvimento económico são prioridades em Gondomar

Logótipo de O Jogo O Jogo 20/10/2017 Administrator

O presidente da Câmara de Gondomar, Marco Martins, que toma posse segunda-feira, aponta o ambiente, a mobilidade e o desenvolvimento económico como prioridades para um segundo mandato, no qual terá a companhia de Valentim Loureiro como vereador na oposição.

Apesar de ter perdido um vereador - elegeu seis - a candidatura do PS em Gondomar alcançou a maioria absoluta com 45,2% dos votos, ficando à frente da candidatura independente do antigo autarca Valentim Loureiro que obteve 19,9% e elegeu dois vereadores, os mesmos da CDU de Daniel Vieira e mais um que a coligação PSD/CDS-PP de Rafael Amorim, enquanto o Bloco de Esquerda de Rui Nóvoa não conseguiu qualquer mandato.

Em entrevista à agência Lusa e questionado, quer sobre a distribuição de pelouros, quer sobre o futuro governativo neste concelho do distrito do Porto, Marco Martins foi peremptório: "Aquilo que espero é que a oposição seja construtiva. Se enveredarem pelo espírito de guerrilha, eu também sei fazer o meu mas acho que Gondomar não ganha nada com isso".

Marco Martins frisou que não exclui colaborações e "não vira a cara a ninguém", mas no imediato as pastas serão distribuídas pela sua equipa: "Os gondomarenses foram muito claros ao escolherem o PS. Caberá a mim o papel de conduzir as reuniões", salientou.

Apontando que "nesta campanha se perdeu um bocadinho de dignidade" e dizendo-se "desiludido com algumas pessoas", o autarca garantiu que nunca temeu pela vitória que "ao contrário do que tentaram lançar na noite eleitoral" em Gondomar "não ganhou num primeiro-ministro, ganhou um presidente de câmara e um projeto autárquico".

Ambiente, transportes e desenvolvimento económico serão as "linhas principais" do mandato 2017/2021, apontou Marco Martins que, confrontado com o facto de ao longo da campanha ter sido acusado de ser um presidente que só acode aos problemas do dia-a-dia, disse "bastar andar nas ruas de Gondomar ou nos corredores de Lisboa para comparar o que existia e o que existe agora".

São cinco os parques urbanos que Marco Martins quer ver criados, a par da continuação do projeto do Parque das Serras do Porto, a conclusão do saneamento pondo em funcionamento as ETAR de Melres e Medas e o avanço dos percursos junto ao Douro.

Quanto ao metro, o autarca garantiu ter o compromisso do Governo de que em 2018 será lançado o processo de execução da linha que levará este meio de transporte ao centro do concelho, até ao Souto, vindo de Campanhã, Porto.

Soma-se o alargamento do Andante a todo o concelho, revendo o zonamento, a criação de um transporte flexível porta à porta na zona conhecida como Alto do Concelho ou a colocação de mais 100 abrigos nas paragens.

A criação de duas zonas empresariais, uma no Alto Concelho e outra em São Pedro da Cova, também é objetivo numa área em que, para aumentar o número de postos de trabalho, Marco Martins prevê duplicar a redução das taxas para o investimento em função dos empregos criados.

"E vamos continuar com projetos inovadores na área social, cultura, desporto, entre outras. Temos feito um trabalho de promoção de Gondomar e de colocar Gondomar no mapa. Sinto que Gondomar começou a ser visto e respeitado. E a prova disso é um conjunto de cargos que gratuitamente e voluntariamente desempenho em sede metropolitana", disse o autarca, referindo-se às pastas ligadas à Proteção Civil e à Mobilidade.

Voltar a rever o Plano Diretor Municipal, completando o trabalho feito no mandato anterior, e contratar recursos a partir de janeiro, algo que não podia fazer até aqui, explicou, "devido ao endividamento excessivo", são outros dos projetos para um ciclo de quatro anos mas que Marco Martins não escondeu desejar que se prolongue até 2025 por ter, conforme referiu na primeira eleição em 2013, um projeto a 12 anos para o concelho.

"Há que aproveitar bem a programação do Portugal 2020 e debater o pós-2020. Em quatro anos reabilitamos 147 ruas, no valor de 40 milhões, e nos próximos anos queremos continuar esse trabalho. Há muito trabalho a fazer", concluiu.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon