Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Ana Borges: "Não devem menosprezar-nos"

Logótipo de O Jogo O Jogo 21/08/2017 Ana Proença

O Sporting começa esta terça-feira a jogar a fase de grupos da Liga dos Campeões, frente ao BIIK-Kazygurt, do Cazaquistão. As campeãs nacionais vão procurar "quebrar o favoritismo" das adversárias, garante Ana Borges, em entrevista a O JOGO.

Tem 27 anos e é uma das melhores jogadoras portuguesas da atualidade. Conhecida pela velocidade que imprime nos flancos, Ana Borges, extremo do Sporting, considera que as leoas vão "estar à altura de lutar pelo apuramento" na fase de grupos da Liga dos Campeões, que decorrerá em Budapeste desta terça-feira a 28 de agosto. Os adversários são o BIIK-Kazygurt (Cazaquistão), Hajvalia (Kosovo) e MTK Hungária (Hungria), equipa anfitriã.

Quais os objetivos traçados para a Liga dos Campeões?

O Sporting é uma equipa que entra sempre para ganhar seja qual for a competição. Sabemos, no entanto, que na Liga dos Campeões estão as melhores equipas da Europa e sendo este o nosso primeiro ano queremos, para já, passar a fase de grupos. Depois logo se verá...

Atribui favoritismo às outras equipas, particularmente à equipa anfitriã?

Talvez elas tenham uma certa vantagem nesta fase, por não ser a primeira vez que disputam a prova e porque jogar em casa é sempre um fator importante. Queremos quebrar o favoritismo que possa existir e o nosso treinador tem-nos dado algumas informações importantes sobre as adversárias. Estaremos à altura de lutar pelo apuramento.

Sendo a primeira participação do clube, considera que as rivais podem menosprezar o Sporting?

Não acredito que as outras equipas possam e devam fazer isso...

Participou na Champions pelo Chelsea em 2014/15 e 2015/16. Já transmitiu ao grupo alguma mensagem sobre a prova?

Não, até porque todas estão conscientes do que é a Liga dos Campeões. Há outras jogadoras no plantel que também já viveram a experiência de jogar esta competição e todas nós sabemos o que é preciso para passar esta fase de grupos: trabalhar muito.

O Sporting reforçou-se bastante. Como avalia as caras novas e como está a decorrer a integração no grupo?

A maior parte são caras conhecidas, sabemos a qualidade de cada uma delas e todas vêm para ajudar e melhorar o plantel do ano passado. Estar no Sporting facilita a integração, até porque estamos todas para o mesmo, ainda que seja necessário mais tempo para nos conhecermos melhor dentro de campo.

Com a participação no Europeu teve menos tempo de férias. Por outro lado, talvez tenha outro ritmo competitivo nesta fase. Será benéfico?

Não vejo que possa tirar daí grande benefício. A época passada foi longa e por não ter tido muito tempo de férias, há ainda algum cansaço acumulado.

Estava cedida pelo Chelsea, mas o Sporting conseguiu a sua contratação a título definitivo. Como viveu esse período de indefinição à espera da resolução do seu futuro?

Nunca escondi que o Sporting é o meu clube do coração, nem que o Chelsea ganhou uma adepta. Fiquei muito contente em permanecer, pois era uma coisa aparentemente difícil, mas o Sporting fez um trabalho enorme e agradeço tudo o que fez para que tal fosse possível. Também agradeço ao Chelsea pela porta aberta que sempre me deixou. São duas equipas incríveis.

Quais as principais diferenças entre as estruturas de Chelsea e Sporting?

São estruturas parecidas, com pequenas diferenças. E há que perceber que o Sporting acaba de formar o departamento de futebol feminino, enquanto o Chelsea já tem mais uns anos. Acredito, no entanto, que ano após ano, as diferenças vão esbater-se.

O final da carreira ainda estará longe, mas gostaria de terminar no Sporting?

Ainda não penso nisso. Gosto de viver um dia de cada vez e deixar acontecer as coisas. Mas terminar no Sporting seria um final de carreira em grande.

Recentemente, o Benfica assumiu que poderá ter uma equipa no futuro. Acha que seria benéfico para o crescimento do futebol feminino em Portugal? O FC Porto também seria bem-vindo?

Qualquer equipa que entre no futebol feminino para o ajudar a desenvolver, será uma mais-valia. E isso é válido para qualquer clube.

imagemOJ/2017/medium/ng8748423.JPG

Bruno de Carvalho é adepto número um

Antes do arranque oficial da nova época das campeãs nacionais, o presidente Bruno de Carvalho esteve com o plantel e transmitiu uma mensagem de incentivo às comandadas por Nuno Cristóvão. "Basicamente disse-nos que devido ao que fizemos na época passada, temos uma responsabilidade acrescida. Somos uma equipa ganhadora e temos que continuar nesse caminho. Vencer é o nosso único objetivo. O presidente tem sido sempre o nosso adepto número um e neste início de época voltou a transmitir-nos a ideia de que podemos contar com ele para o que for preciso", conta Ana Borges.

Jesus, Mourinho e as palavras de Tiago

No Sporting, Ana Borges joga a extremo, mas no início da carreira era central, desempenhando posteriormente funções de lateral, posição em que costuma alinhar pela Seleção. Polivalente, é das atletas que qualquer treinador gostaria de ter e se fosse convidada por Jorge Jesus para ajudar a equipa masculina não recusaria. "Se me perguntasse se estava pronta, não hesitaria. Para o Sporting, seja em que escalão for, estarei sempre pronta e disponível", afirma a extremo que já se cruzou com José Mourinho no Chelsea e Tiago, quando representava o Atlético de Madrid. "Eu passava a maior parte do tempo na cidade desportiva e o Tiago, que estava a recuperar de lesão, sempre foi muito atencioso comigo. Preocupava-se em saber se eu estava bem e isso também me ajudou bastante a integrar", revela. Quanto ao Special One, Ana Borges não esquece a boa disposição do atual técnico do Manchester United. "Cruzámo-nos numa gala do Chelsea e José Mourinho disse que eu precisava de uma bola no campo para jogar e não de estar sempre no ginásio. Ironicamente claro, porque a minha treinadora lhe havia dito que eu era muito boa jogadora mas que não gostava de ir ao ginásio", lembra, entre risos.

Sporting é favorito em Portugal

© Filipe Amorim / Global Imagens

No ano de regresso à modalidade, o Sporting fez a dobradinha e parte com um "certo favoritismo" a nova época. "Este ano não podemos ter outro pensamento que não seja igualar a época anterior. No entanto, não podemos achar que está tudo feito antes de jogarmos. O Braga é uma excelente equipa e vai estar sempre na luta, mas haverá outras equipas com muita qualidade", analisa a extremo que admira "as jogadoras portuguesas pelo esforço que fazem em sair dos trabalhos/escola e ainda irem treinar sem receber qualquer salário."

Relaxar na praia e em esplanadas

Ana Borges é atleta profissional e o dia da internacional portuguesa começa por volta das 8h15, hora em que costuma saltar da cama. Às 9h30 já está a treinar e agora, os tempos livres são ocupados com uma ida à praia ou momentos de relaxe numa esplanada. Quanto à gastronomia, a extremo não tem nenhum prato que adore confecionar... "Não sou mesmo especialista em nada. Sou especialista a jogar futebol", afirma entre risos, registo bem-humorado que mantém ao indicar as jogadoras leoninas mais vaidosas. "Talvez sejam a Tatiana Pinto ou a Rita Fontemanha".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon