Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

André André: "Nasci logo a sentir o que é o futebol e o FC Porto"

Logótipo de O Jogo O Jogo 13/04/2017 Hugo M. Monteiro

Em entrevista ao Porto Canal, o jogador do FC Porto recorda os primeiros passos no mundo do futebol e conta o que é ser filho de um campeão da Europa

Escolha entre mar e futebol: "Quando comecei já havia a escola como alternativa mas conheci muitos amigos que tinham de optar e muitos são pescadores. Outros são futebolistas. Era esse o espírito antigamente. Se quero melhorar não posso faltar mais aos treinos para estudar. Comecei a evoluir e a jogar sempre no escalão acima".

Varzim: "Tive um bom primeiro treino no Varzim mas não tinha chuteiras, fui de sapatilhas. O meu pai não ia aos treinos e eu não deixava que ele fosse aos jogos, queria sentir-me livre a jogar. Depois habituei-me à presença dele".

Influência do pai, António André: "Nasci logo a sentir o que é o futebol e o FC Porto. Quando percebi onde estava disse que um dia queria ser jogador. O meu pai nunca me incentivou, disse que podia ser o que quisesse. (...) Quem me dera ganhar o que ele ganhou. Sempre quis construir a minha carreira não levando o meu pai às costas para subir os degraus, mas apenas pelo orgulho que sinto pelo que ele foi".

© Fornecido por O jogo

Subcapitão juniores FC Porto: "Correu bem, podia ter corrido melhor se tivéssemos sido campeões. Perdemos o campeonato nos últimos segundos em Alvalade".

Esperança de dar o salto para a equipa principal do FC Porto: "Tinha contrato com o Varzim. Se o FC Porto quisesse teria de me comprar e não sei se chegou a fazer proposta. Sabia que, de qualquer das maneiras, ia para o Varzim e para a II Liga e fazia o meu trajeto".

Memórias do Estádio das Antas: "Ia ao balneário com o meu pai, lembro-me que o meu pai vinha três horas e meia antes do jogo e eu ficava no carro. Quando chegava a um certo ponto subia para a bancada com a minha mãe. Lembro-me de estar no relvado na festa do "penta". Todos os jogos em casa eu vinha ver".

Despedida do pai: "Lembro-me, foi contra o Marítimo. O FC Porto era campeão".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon