Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

André Silva: Deco, Falcao e um jogo que nunca vai esquecer

Logótipo de O Jogo O Jogo 11/05/2017 Hugo Monteiro

André Silva, avançado do FC Porto, jogava nos escalões de formação do Salgueiros quando uma partida o lançou para outros patamares. Esta e outras histórias contadas numa entrevista ao Porto Canal.

Comparação com Deco no Salgueiros: "Estava a jogar nos escalões um ano acima da minha idade e num certo treino um treinador, que chamava aos miúdos nomes de jogadores famosos, e lembro-me que na altura disse-lhe que gostava do Cristiano Ronaldo, mas esse já estava destinado e então ele acabou por sugerir o do Deco. Como jogava a médio ofensivo e gostava do Deco, então ficou... Nunca pensei que esse nome ficasse na cabeça das outras pessoas e que ainda hoje me chamassem Deco. Preferia que me chamassem André Silva na altura, mas acabou por pegar e, pronto, acabou por ficar".

De médio a avançado: "No começo da minha carreira joguei como médio ofensivo e como extremo, mas quando cheguei ao FC Porto é que o mister é que me colocou a ponta de lança. Tentei evoluir ao máximo porque não estava habituado a essa posição".

O célebre jogo contra o FC Porto: "Lembro-me de sair da Constituição com um sorriso na cara porque era difícil sair de lá com uma vitória, contra o nosso clube. Nesse jogo estava a jogar a extremo e acabámos por ganhar 3-2, mas se o jogo tivesse mais alguns minutos acabaríamos por empatar, não porque o FC Porto tinha jogado melhor, mas porque naquela altura estava em cima de nós. Mas fiquei feliz e era um sonho de miúdo ganhar ao FC Porto. Todos os jovens têm a ambição de ganhar a um grande clube".

© Fábio Poço/Global Imagens

A chegada ao FC Porto: "Fiquei feliz, mas não posso dizer que não estava à espera porque acredito que quando uma pessoa quer muito uma coisa, consegue. A verdade é que eu queria chegar ao FC Porto, não sabia quando, nem sabia se ia chegar, mas na minha cabeça tinha a noção de que estava a fazer tudo para lá chegar. Não foi algo que aconteceu por acaso. Só posso dizer que foi um sonho concretizado e dizer que fiquei muito feliz. Lembro-me de estar com a minha família, neste caso foi o meu pai que me acompanhou e lembro-me sempre de ter um sorriso na cara".

Treino específico: "O clube colocou-me em treinos específicos para evoluir a técnica e a finalização. Isso ajudou-me muito a chegar onde hoje estou porque era um treino que todos os miúdos gostavam, era essencialmente fintas e finalização. Não era preciso defender, nem nada desse género. Esses treinos ajudaram-me a evoluir muito".

A grande época de Villas-Boas com Falcao como goleador: "Procuro beber sempre das melhoras coisas. Cheguei a ver jogos ao vivo com o Falcao em campo e lembro-me que ele não tinha uma estatura muito alta, mas marcava muitos golos. Era muito inteligente nas movimentações, foi algo que vi e fiquei muito surpreendido. Aprende-se muito a ver, mas se calhar não vejo tanto como deveria. Gosto de estar ativo e não parado a ver. Em miúdo via jogos e não me sentia muito bem, pois queria era estar lá dentro e sentir o que os jogadores estavam a sentir na altura".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon