Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Angola catalogou 800 novas palavras para II volume do Dicionário de Língua Gestual

Logótipo de O Jogo O Jogo 31/08/2017 Administrator

O Instituto Nacional para o Ensino Especial de Angola tem catalogadas cerca de 800 novas palavras, para elaboração do II volume do Dicionário de Língua Gestual Angolana, com estudos já em marcha, anunciou o diretor da instituição.

"Neste momento já existe o projeto do segundo volume do dicionário, uma vez que estão em estudo mais 800 palavras para começar a elaboração do segundo volume", disse hoje em declarações à agência Lusa, Jorge Pedro.

Segundo o responsável, dez anos depois da publicação do I volume do primeiro Dicionário de Língua Gestual Angolana, "novas palavras estão em estudo em função da evolução dos contextos sociais do país", daí o trabalho que está a ser desenvolvido pelos técnicos angolanos nesse domínio.

"O processo será tal como aconteceu com a primeira edição do dicionário. Daí que se elaborou esse projeto, com o levantamento a nível das províncias e recolha de todos os gestos que são feitos, para respetiva conformação em dicionário para ajudar as pessoas com deficiência auditiva", explicou.

O responsável informou também que está previsto para 2018, a introdução de intérpretes de língua gestual nos órgãos de comunicação e em outras instituições, agora com o respaldo da nova Lei de Base do Sistema de Ensino.

"Em termos oficiais não existia essa figura, e durante as eleições já se observaram os nossos técnicos na televisão a orientar os eleitores. Então neste momento temos o projeto de formação aos intérpretes e pensamos que já a partir do próximo ano a implementação será um facto", referiu.

No quadro das ações voltadas à educação de pessoas com necessidades especiais no país, Jorge Pedro disse também que o ensino especial em Angola será superintendido, a partir de 2018, pela "Política Nacional de Educação Especial Orientada para Inclusão Escolar".

"O atendimento educativo especial é uma das novidades que consta desta política, onde as crianças além de receber os conteúdos programáticos, todas as escolas deverão ter uma sala onde vão receber a psicoterapia. A política também fala das parcerias e foram ainda criados gabinetes provinciais de ensino especial", concluiu.

O Instituto Nacional para o Ensino Especial de Angola é um órgão afeto ao Ministério da Educação angolano encarregue pelo controlo e formação de pessoas com necessidades educativas especiais.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon