Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Angola com luz verde da UNESCO para avançar com mais três candidaturas

Logótipo de O Jogo O Jogo 26/07/2017 Administrator

A ministra da Cultura de Angola, Carolina Cerqueira, anunciou que a UNESCO aceitou os processos de candidatura da cidade de Cuito Cuanavale, do corredor do rio Kwanza e das gravuras de Tchitundu-Hulu a património da humanidade.

O anúncio foi feito em Mbanza Congo, província angolana do Zaire, durante a cerimónia de apresentação local da declaração de património da humanidade das ruínas do centro histórico da cidade, antiga capital do Reino Congo, a primeira classificação do género atribuída a Angola por aquela Organização da ONU para a Educação, Ciência e Cultura, que aconteceu a 08 de julho.

"Angola já avançou, através do Ministério da Cultura, para a inscrição de três novos sítios, que foram já aceites pela UNESCO. A inscrição das pinturas rupestres do Namibe, de Tchitundu-Hulu, o corredor do Kwanza, que está ligado ao roteiro da escravatura, e a cidade do Cuito Cuanavale, que é um símbolo e uma referência da paz, do diálogo e da reconciliação nacional", enfatizou a ministra.

Segundo Carolina Cerqueira, estas três propostas "foram aceites para inscrição pela UNESCO", pelo que Angola vai agora "trabalhar nesses dossiês", para "poder ter resultados positivos".

"Gostaríamos de salientar que foi recebido com muito apreço e com muito interesse, sobretudo a inscrição da cidade do Cuito Cuanavale, porque a paz, o diálogo, a fraternidade entre os povos, é um dos apanágios da UNESCO e está ligado ao seu trabalho de património imaterial", explicou.

Segundo Carolina Cerqueira, a aceitação de mais três candidaturas de Angola indica que as mesmas cumprem os pressupostos da UNESCO para iniciar análise, cabendo agora ao Governo angolano começar a trabalhar nos pressupostos das mesmas, antes de serem levadas à discussão final da Comissão de Património Mundial daquela organização, para inscrição.

"Futuramente", disse ainda, podem avançar outras propostas junto da UNESCO: "Angola é rica em monumentos, em sítios, de rituais, de danças, como o semba e o kuduro, que são nossos. Serão mais-valias nossas".

Localizadas no município do Virei, província do Namibe, no sul do país, as 2.000 gravuras e 250 pinturas rupestres de Tchitundu-Hulu integram uma das mais importantes áreas do género em África e já integravam o conjunto de bens da lista indicativa de Angola a património da UNESCO.

Em 1996, justificando a decisão com o testemunho material e imaterial da vida social, económica e espiritual das antigas comunidades que se terão fixado naquele espaço e autores das pinturas e das gravuras, a Estação de arte rupestre de Tchitundu-Hulu foi classificada pelo Ministério da Cultura com o título de Património Histórico-Cultural.

Paralelamente, o Governo angolano defendeu em 2016 a necessidade de "conservar e valorizar" turisticamente as marcas físicas do passado colonial português, nomeadamente no corredor do rio Kwanza, que o país pretende candidatar a património da UNESCO, destacando a oposição que aquela região do país demonstrou ao colonialismo português ao longo da história.

Aquele corredor, alvo igualmente desta candidatura à UNESCO, era utilizado pelos povos locais e com a chegada dos portugueses passou a ser uma rota para a introdução do cristianismo, tendo igualmente potenciado o ?negócio' dos escravos.

A fechar o grupo das três candidaturas está a cidade Cuito Cuanavale, na província do Cuando Cubango, palco, durante o conflito civil angolano, daquele que foi considerado como o maior combate militar em África após a segunda guerra mundial e que então envolveu forças do Governo angolano, da UNITA e da África do Sul, que comemora o trigésimo aniversário em 2018.

Aquela região insere-se no chamado "Triângulo do Tumpo", considerado o ponto principal dos combates do Cuito Cuanavale, ocorridos a 23 de março de 1988.

Além da evolução da situação política e militar em Angola, a batalha do Cuito Cuanavale é considerada como decisiva na independência da vizinha Namíbia, concluída em 1990, então ocupada pela África do Sul e após ter sido colónia da Alemanha.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon