Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Angola/Eleições: Comissários da CNE representantes dos partidos da oposição distanciam-se dos resultados eleitorais

Logótipo de O Jogo O Jogo 06/09/2017 Administrator

Sete comissários nacionais representantes dos partidos da oposição na Comissão Nacional Eleitoral (CNE) consideraram hoje que, Angola "está numa encruzilhada" devido a conduta "pouco transparente" do órgão eleitoral ao qual integram.

O posicionamento do grupo de comissários nacionais da CNE, representantes dos partidos UNITA, CASA-CE, PRS e FNLA, foi hoje divulgado em conferência de imprensa, após o anúncio dos resultados definitivos das eleições gerais de 23 de agosto, da qual saiu vencedor o MPLA e eleito novo Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço.

Para os comissários, o país "está numa encruzilhada, porque a lisura, a transparência e a validade do processo eleitoral estão em causa".

Os argumentos dos comissários foram apresentados em 15 pontos, em que descrevem supostas irregularidades que marcaram o processo eleitoral angolano.

Os comissários começaram por afirmar que "o apuramento nacional dos resultados eleitorais enferma do vício de invalidade porque foi efetuado com base em documentos inválidos, ao arrepio da lei".

Segundo os comissários, a lei determina que o apuramento provincial seja efetuado com base nas atas das mesas de voto e demais documentos que a CNE determinar, porém, "por determinação da Comissão Nacional Eleitoral, o apuramento provincial foi planeado para ser realizado com base nas atas sínteses das assembleias de voto".

Acrescentam também que estas mesmas atas sínteses das assembleias de voto serviram de base ao escrutínio provisório e a partir de um módulo específico, concebido no quadro da solução tecnológica para o escrutínio provisório, que foi adquirido à empresa espanhola INDRA Sistemas, SA.

Aquele grupo de comissários considera ainda que o apuramento nacional dos resultados feitos com base nas atas de apuramento provincial de 15 das 18 províncias "está eivado de invalidade, porque tais documentos não são de facto 'atas de apuramento'".

"Não houve apuramento dos resultados provincial dos resultados eleitorais realizados nos termos da lei", referem na declaração, salientando que os resultados hoje divulgados pela CNE como definitivos "são essencialmente os mesmos divulgados como provisórios, produzidos a partir das atas sínteses das assembleias de voto, não assinadas pelos delegados de lista".

"Tal putativo apuramento está ferido de nulidade. A nulidade, sendo imprescritível, vicia os atos subsequentes, tornando o ato de apuramento nacional nulo", salientam os comissários, observando que "todos os cálculos inerentes à conversão de votos em mandatos foram efetuados com base nas atas sínteses e, por isso, são igualmente inválidos à luz da Constituição, da Lei Orgânica sobre as Eleições Gerais e da jurisprudência do Tribunal Constitucional, designadamente no seu acórdão nº 224/2012".

Os comissários lamentam que a CNE não permita que enquanto membros integrantes de pleno direito exprimam a sua opinião, na forma de declaração de voto, que consideram, um instrumento fundamental para explicarem as razões do seu voto vencido, além de não permitir que a sua opinião discordante da maioria, seja tornada pública.

"Achamos que estas medidas internas ofendem a democracia e o estado de direito, especialmente quando estão em causa valores mais altos, como a lisura e a transparência dos processos eleitorais, base fundamental para a legitimação do poder político", criticaram.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon