Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Angola/Eleições: Conselho de Igrejas Cristãs aconselha "olhar atento e sábio" à CNE

Logótipo de O Jogo O Jogo 01/09/2017 Administrator

O Conselho de Igrejas Cristãs Angolanas (CICA) aconselhou hoje a Comissão Nacional Eleitoral (CNE) a ter "um olhar atento e sábio" na resolução das diferentes preocupações apresentadas pelas forças políticas concorrentes às eleições gerais de 23 de agosto.

A posição vem expressa na mensagem pastoral apresentada hoje em Luanda pela secretária-geral do CICA, Deolinda Teca, na qual reconhece que a votação do dia 23 de agosto aconteceu "num clima de paz e de tranquilidade".

Contudo, o CICA aconselha que a educação cívica eleitoral seja um processo contínuo em Angola, sem depender dos períodos eleitorais.

O CICA sublinha a necessidade de diálogo permanente entre a CNE e as forças políticas concorrentes, "evitando assim a incubação de insatisfações suscetíveis de promover atmosferas desagradáveis à sã convivência entre os angolanos".

Aos angolanos, a mensagem vai no sentido de serem "embaixadores do perdão e da misericórdia, aceitando e tolerando uns aos outros independentemente das convicções político partidárias de cada um".

"Pois os angolanos estão chamados a viver em paz, sem recurso a discursos e atos violentos, colocando a nação em primeiro lugar e depois os interesses partidários e individuais", disse a secretária-geral do CICA.

Para a juventude, enquanto ator do desenvolvimento de Angola, a igreja aconselhou a "considerar, valorizar e preservar as conquistas históricas" alcançadas com o seu sacrifício e de seus pais.

Relativamente ao desempenho da comunicação social, o CICA disse que reconhece a sua importância nesses processos, apelando por isso que nas próximas eleições "ela melhore e exerça este papel com equidade e isenção".

"Apelamos que no processo preparatório, execução e divulgação dos resultados eleitorais sejam baseados sempre na verdade e justiça", observou a responsável cristã.

Outro apelo vai igualmente para os utilizadores das redes sociais, para que os referidos meios "não sejam transformados em instrumentos de propagar a inimizade entre angolanos", mas sim para que sirvam "para a propagação da paz contínua".

"A igreja continuará a orar e a trabalhar em parceria com todos os atores do bem, comprometidos com a paz, tranquilidade e desenvolvimento sustentável da nossa querida Angola", realçou.

Às forças políticas concorrentes com inquietações sobre o processo, o CICA solicitou que utilizem os instrumentos legais "para dissipar as dúvidas existentes", devendo ser o diálogo a base.

"Tendo sido dissipadas as mesmas, os resultados definitivos devem ser aceites com serenidade e responsabilidade por todos", frisou, desejando que o candidato vencedor das eleições gerais "venha a dirigir a todos os angolanos como presidente eleito, sem colocar de lado cidadãos de outras formações políticas".

Agradeceu ainda a "missão nobre" desempenhada pelos observadores nacionais e internacionais, acrescentando que "Angola vive um momento ímpar da sua história, enquanto aguarda com ansiedade a proclamação nos próximos dias da quarta República, em torno da qual gira uma grande expectativa sobre o que de novo trará para alegria do seu povo".

"O CICA congratula-se com o comportamento dos eleitores, dos agentes eleitorais, das forças da ordem e segurança pública, dos observadores nacionais e internacionais pelo grande exemplo de civismo, maturidade e envolvimento nas tarefas eleitorais durante a votação no dia 23 de agosto", referiu.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon