Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Angola/Eleições: PR angolano manteve equilíbrios -- comandante guineense "Manecas" dos Santos

Logótipo de O Jogo O Jogo 19/08/2017 Administrator

O veterano da luta armada pela independência da Guiné-Bissau "Manecas" dos Santos considerou hoje o Presidente angolano tem sido um "grande estadista" e soube manter "muitos equilíbrios" em Angola.

"Eu penso que o Presidente José Eduardo dos Santos tem sido um grande Estadista. Ele conseguiu manter muitos equilíbrios em Angola que eventualmente não se manteriam sem a sua presença", afirmou em declarações à agência Lusa.

O comandante "Manecas" dos Santos conheceu José Eduardo dos Santos em Angola, quando participou na cerimónia de proclamação da independência, a 11 de novembro de 1975, pelo então Presidente Agostinho Neto.

"Manecas" dos Santos fez também parte do primeiro grupo de soldados do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) que foi ajudar o MPLA em 1975 na defesa antiaérea da cidade de Luanda.

Para o comandante guineense, Angola é um hoje um "país estável, que está a caminhar para a democracia", salientando que a democracia é um edifício que se constrói e nunca está acabado.

"Portanto, eu penso que o Presidente José Eduardo dos Santos sair da Presidência aos 75 anos não tem outro significado que não seja: a vida humana tem limites", afirmou "Manecas" dos Santos.

O antigo ministro guineense e atual membro do 'bureau' político do PAIGC considerou também que José Eduardo dos Santos faz "muito bem em promover uma transição pacífica, sem muitas ondas" ao realizar eleições para eleger um novo Governo para Angola, que o comandante "Manecas" dos Santos espera que seja do MPLA.

"Está a acontecer uma coisa normal. Não penso que seja uma coisa extraordinária o facto de o Presidente Eduardo dos Santos estar a sair do poder", disse.

No próximo dia 23, Angola realizada eleições gerais que vão ficar marcadas pela ausência do Presidente José Eduardo dos Santos como líder da lista do MPLA, partido que está no poder desde a independência do país.

Questionado pelo Lusa sobre um balanço da Presidência de José Eduardo dos Santos, "Manecas" dos Santos afirmou que "como todo o homem tem os seus pontos fortes e tem os seus pontos fracos".

"Também fez coisas muito acertadas, mas também cometeu erros, mas fazendo um balanço daquilo que foi a Presidência de José Eduardo de Santos em Angola, acho que é extremamente positivo", sublinhou.

Destacando que, depois do final da guerra civil, José Eduardo dos Santos nunca usou muito a violência como arma de direção política, "Manecas" dos Santo disse que tem havido um "esforço sério de desenvolvimento e de crescimento em Angola".

"Manecas" dos Santos foi nomeado embaixador da Guiné-Bissau em Angola e embora teoricamente ainda o seja não voltou a ocupar o posto, depois do golpe de 12 de abril de 2012, por não estarem reunidas as condições.

Sobre as relações entre os dois países, o comandante guineense disse que "estão boas".

"Em qualquer caso estão boas entre o PAIGC e o MPLA. São relações históricas, que penso que vão continuar, não há nenhuma razão para que se percam e essas relações vão se manter e melhorar se for possível", disse.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon