Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Angolana TAAG admite elevada dívida devido à falta de divisas

Logótipo de O Jogo O Jogo 19/07/2017 Administrator

As dificuldades no repatriamento de dividendos das companhias aéreas que operam em Angola, devido à falta de divisas, também estão a afetar a transportadora angolana TAAG, que admite ter uma elevada dívida aos fornecedores estrangeiros.

A informação foi avançada hoje pelo coordenador adjunto da comissão de gestão da transportadora aérea estatal angolana, Rui Carreira, na apresentação hoje aos diretores da companhia.

Rui Carreira referiu que é alheio à TAAG o problema que a Emirates regista no repatriamento dos dividendos gerados pela operação em Angola, motivo pela qual a companhia árabe reduziu a suas frequências de voos de cinco para três semanais e abandonou a gestão da companhia angolana, conforme acordo que tinha assumido em 2015 com o Governo.

"Isto não acontece só com a Emirates, acontece com as outras companhias estrangeiras, que operam regularmente para Angola, para Luanda em particular, é um problema alheio à TAAG, é um problema alheio ao Ministério dos Transportes", disse Rui Carreira.

Acrescentou que o problema decorre das dificuldades cambiais que o país atravessa, consequência da decorrente crise económica e financeira, da escassez de divisas.

"É um problema alheio a nós, aliás a TAAG também tem sido vítima dessa escassez, porque a maior parte dos nossos fornecedores são estrangeiros e que devem ser pagos com divisas, portanto, a TAAG também está a contrair dívidas com fornecedores estrangeiros, por força dessa escassez", disse.

Segundo Rui Carreira, "o valor é elevado", sem avançar a quantia, sublinhando que a empresa está a trabalhar para poder ultrapassar o problema e transformar a TAAG "numa companhia rentável".

O responsável sublinhou que a decisão tomada pela Emirates em reduzir as suas frequências tem apenas motivos comerciais, estando no direito de assim proceder.

"Se eles acham que devem fazer estão no direito de fazer, isto não tem nada a ver com a relação entre as duas companhias", disse.

Questionado se a TAAG está a pensar cobrir o espaço deixado pela Emirates nos voos para o Dubai, Rui Carreira disse que essa questão ainda não se colocou ao nível da comissão de gestão.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon