Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

António Costa atuou "ao retardador" em exoneração de secretários de Estado - Rangel

Logótipo de O Jogo O Jogo 09/07/2017 Administrator

O eurodeputado Paulo Rangel disse hoje que o primeiro-ministro António Costa atuou "ao retardador" no caso da exoneração de três secretários de Estado e disse esperar que o mesmo suceda com o Ministério da Administração Interna.

"A verdade é que o Governo funciona ao retardador e penso que isto vai acontecer também com o Ministério da Administração Interna, seguramente que, mais dia, menos dia, vamos ter notícia sobre esta demissão, se não for agora já em pacote", afirmou Rangel.

Questionado pelos jornalistas sobre a aceitação por António Costa dos pedidos de exoneração de três secretários de Estado, Paulo Rangel lembrou que "no momento em que esta polémica eclodiu, logo na altura se chamou à atenção, nomeadamente sobre o secretário de Estado Rocha Andrade, que ele se devia demitir".

"Ele e o primeiro-ministro disseram que não. Nós estamos a ver que o primeiro-ministro atua ao retardador, mas acaba por atuar", assinalou, considerando que "era altamente questionável do ponto de vista ético e deontológico que o secretário de Estado que é responsável pelos assuntos fiscais, e que tinha dado um regime próprio à Galp, fosse convidado da Galp".

Para Rangel "não se compreende que na altura não se tivesse demitido imediatamente".

"O primeiro-ministro António Costa aqui mais uma vez caiu-lhe a face. Talvez este período de reflexão em que ele esteve ausente do país, e do qual ainda não regressou num momento tão difícil para o país, talvez o tenha feito ao menos cair na consciência de que esta situação anda insustentável", sublinhou.

O primeiro-ministro aceitou hoje os pedidos de exoneração dos secretários de Estado da Internacionalização, dos Assuntos Fiscais e da Indústria, "apesar de não ter sido deduzida pelo Ministério Público qualquer acusação".

Esta posição de António Costa consta de uma nota oficial enviada pelo seu gabinete à agência Lusa.

Os secretários de Estado da Internacionalização, dos Assuntos Fiscais e da Indústria pediram hoje a exoneração de funções, após terem solicitado ao Ministério Público a sua constituição como arguidos no inquérito relativo às viagens para assistir a jogos do Euro2016.

"Os signatários solicitaram ao primeiro-ministro a exoneração das funções que desempenham", afirmam, em comunicado conjunto enviado à Lusa, o secretário de Estado da Internacionalização, Jorge Costa Oliveira; o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, e o secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos.

A decisão é justificada com a intenção de não prejudicar o Governo.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon