Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

António Costa quer valorizar recursos com conhecimento e inovação

Logótipo de O Jogo O Jogo 03/09/2017 Administrator

O secretário-geral do PS, António Costa, disse hoje, em Coimbra, que o país "precisa de valorizar" os seus recursos com base no conhecimento e na inovação.

Portugal, segundo António Costa, precisa também de "um bom orçamento" para 2018, dando continuidade às opções políticas que permitiram ao país "estar melhor" do que em 2015, ano em que o líder socialista tomou posse como primeiro-ministro.

"Com base nessa confiança, os investidores estão a investir" mais do que há dois anos, quando o PSD e o CDS estavam no Governo, acrescentou.

O secretário-geral do PS intervinha no Convento de São Francisco, na margem esquerda do rio Mondego, na apresentação da recandidatura do socialista Manuel Machado à presidência da Câmara Municipal de Coimbra, nas eleições de 01 de outubro.

Na sua opinião, estando o PS há menos de dois anos no Governo, com apoio de toda a esquerda parlamentar, pela primeira vez desde o 25 de Abril de 1974, "a realidade desmente os preconceitos ideológicos de quem olhou com desconfiança para esta solução política".

Com o PSD e o CDS a governarem em coligação, entre 2011 e 2015, "o fracasso foi visível", criticou.

"Pagámos todos duramente esta experiência", lamentou António Costa, para afirmar que o país "tem hoje melhor consolidação orçamental e mais crescimento tendo feito a inversão da política que era seguida pela direita e virando a página da austeridade".

Para o líder do PS e primeiro-ministro, "a pior coisa" que Portugal podia fazer "era regredir" nos resultados alcançados desde 2015 e "voltar a ter mais do mesmo".

Importa "dar força e sustentabilidade a esta mudança", por isso, "é não só preciso um bom orçamento" de Estado para o próximo ano, "como é sobretudo precisa uma boa estratégia pós-2020 que dê uma visão de médio prazo ao país", defendeu.

Uma estratégia "onde, de uma vez por todas deixemos de apostar em baixos salários, fragilização de direitos e encerramento de serviços e passemos a apostar naquilo que é essencial", com o país a "valorizar os seus recursos com base no conhecimento e na inovação", frisou.

Para o líder do PS, "essa é a chave no futuro" do país.

"Se hoje temos estes resultados, é porque virámos a página da austeridade", disse, ao criticar o PSD de Pedro Passos Coelho, que "nada aprendeu e só quer repetir aquilo em que já falhou" no passado.

"Ainda hoje, ao ouvir o líder da oposição a falar no encerramento daquela Univerdade de Verão" do PSD -- "que mais parecia uma escola de maledicência que ocupou a semana" -- se verificou "que a receita é sempre a mesma", com o objetivo de "evitar os aumentos salariais e diabolizá-los".

"Devolvemos confiança à sociedade portuguesa. E é com base nessa confiança que os investidores estão hoje a investir e tivemos o maior investimento privado dos últimos 18 anos em Portugal", declarou.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon