Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Aprovação de diploma sobre atos próprios dos médicos veterinários é "extremamente importante"

Logótipo de O Jogo O Jogo 21/09/2017 Administrator

O bastonário da Ordem dos Médicos Veterinários considerou hoje "extremamente importante" que o Parlamento tenha aprovado, em plenário, os projetos de lei que definem os atos próprios dos médicos veterinários, mas admitiu que o próximo passo é investir na fiscalização.

"Foi uma aprovação extremamente importante", disse à agência Jorge Cid, observando que, até agora, as normas existentes sobre a matéria eram "vagas" e "só definiam as linhas gerais" dos atos praticados pelos médicos veterinários.

Na quarta-feira, com a abstenção do PSD e os votos favoráveis das restantes bancadas parlamentares, foi aprovado um diploma do PS que define os atos médicos veterinários, visando suprir uma lacuna na lei que regula atividade daqueles profissionais.

O bastonário precisou que os diplomas aprovados, além de definirem os atos próprios dos médicos veterinários, determina ainda o que pode ser feito e praticado pelos técnicos ligados ao setor, designadamente enfermeiros veterinários e por auxiliares de veterinária.

Embora a aprovação destes diplomas seja um passo importante para a classe profissional dos médicos veterinários, Jorge Cid reconheceu que a falta de fiscalização continua a ser um problema sério, notando que existe "falta de pessoal" na Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (Ministério da Agricultura) para fazer cumprir as normas e regras impostas, juntamente com a ASAE (Autoridade de Segurança Alimentar e Económica).

O bastonário alertou ainda para o problema da falta de veterinários municipais em mais de 100 municípios do país, criticando o facto de nos últimos anos não ter sido contratado nenhum destes profissionais.

Com a ausência dos veterinários municipais, advertiu, é a atividade sanitária do concelho que fica em risco, pois estes profissionais deviam fiscalizar tudo aquilo que os portugueses consomem de origem animal - ovos, leite e carne, por exemplo.

Os veterinários municipais deviam ainda desempenhar um papel relevante no controlo dos medicamentos que são administrados aos animais em todo o país, pois está a escapar completamente o controlo na administração 'ad hoc' de antibióticos aos animais, com consequências graves para a saúde dos portugueses.

Apesar de a fiscalização ser muito fraca, o bastonário reconheceu que os diplomas agora aprovados pelo Parlamento vão facilitar a apresentação e prosseguimento das várias queixas que são apresentadas ao Ministério Público sobre a prática ilegal de atos reservados aos médicos veterinários.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon