Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Assembleia Geral da Liga rejeita eleições antecipadas adiando entrada em vigor de norma

Logótipo de LusaLusa 25/09/2017 Rui Barbosa Batista
MANUEL ARAÚJO/LUSA © LUSA / MANUEL ARAÚJO MANUEL ARAÚJO/LUSA

Porto, 25 set (Lusa) - A Assembleia Geral da Liga Portuguesa de Futebol Profissional rejeitou hoje, por unanimidade, a antecipação de eleições, no âmbito da possível entrada imediata em vigor de uma norma que altera a composição e funcionamento dos órgãos sociais.

"Era uma questão puramente técnica relacionada com o artigo 84. Apesar de [Pedro Proença] ter colocado à assembleia geral essa possibilidade, foi entendido, por unanimidade, que a mesma norma só entrasse em vigor no próximo mandato", explicou Sónia Carneiro, diretora executiva para a parte jurídica.

A direção, composta por Benfica, FC Porto, Sporting, Feirense, Desportivo Chaves, União da Madeira, Famalicão e Académico de Viseu interpretou a questão da mesma forma, pelo que "não está em causa a legitimidade dos órgãos".

Na prática, os próximos órgãos sociais vão contar com uma direção, conselho jurisdicional e conselho fiscal "mais pequenos e com um modo de funcionamento distinto".

"Desprendido, Pedro Proença colocou o lugar à disposição, se fosse essa a vontade dos clubes. Estava naturalmente à disposição para existirem eleições, sem prejuízo de voltar a ser candidato. Se se demitisse, não poderia voltar a ser candidato", complementou a responsável.

RBA/JYA // NFO

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon