Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Associação pró-democracia de Macau diz ter sido alvo de ciberataques apoiados pelo Governo

Logótipo de O Jogo O Jogo 21/09/2017 Administrator

A Novo Macau, a maior associação pró-democracia da cidade, afirmou hoje ter sido alertada pela Google de que foi alvo de ciberataques "apoiados pelo Governo" durante a campanha eleitoral, que cessaram após as eleições de domingo.

"A Google alertou-nos que 'hackers' do Governo podiam estar a tentar roubar a nossa 'password'. Todos estes ciberataques pararam um dia após as eleições. Acho que não é uma coincidência", disse Jason Chao, membro da Associação Novo Macau (ANM), em conferência de imprensa.

Uma lista afiliada à ANM elegeu no domingo o mais jovem deputado da Assembleia Legislativa de Macau, Sulu Sou.

Jason Chao, que liderou a associação entre 2010 e 2014 e continuou desde então envolvido com as suas atividades, listou aqueles que considerou terem sido os maiores problemas durante a campanha, entre eles o ataque informático, não só aos emails dos candidatos e da associação, mas também às contas da rede social Facebook e de Telegram, uma plataforma de troca de mensagens.

No entanto, nestes dois últimos casos, as empresas apenas informaram que alguém estava a tentar entrar nas contas, sem referência a interferências governamentais.

"Provavelmente, as autoridades queriam conhecer as nossas atividades para melhor arquitetar campanhas difamatórias. Mas isto é apenas uma especulação minha. O que posso dizer ao público é que fomos informados pela Google de que fomos sujeitos a ataques por 'hackers' apoiados pelo Governo", disse.

Na mensagem da Google, que Chao mostrou aos jornalistas, a empresa escreveu: "Existe a possibilidade de isto ser um falso alarme, mas detetámos que atacantes apoiados pelo Governo estão a tentar roubar a tua 'password'. Isto acontece a menos de 0,1% dos utilizadores. Não podemos revelar o que nos alertou porque os atacantes podem reparar e mudar as suas táticas, mas se forem bem-sucedidos, a certa altura podem aceder aos teus dados ou tomar outras ações usando a tua conta".

Questionado sobre que Governo suspeitava estar pode trás dos ciberataques, o de Macau ou o da China, Chao apontou para o segundo. "Pelo que sei, o Governo de Macau não tem a capacidade de desenvolver tecnologia de 'hacking'", disse.

Jason Chao, de 30 anos e que desde 2005 tem vindo a dedicar-se ao ativismo, deixa Macau no sábado com destino ao Reino Unido, para fazer um mestrado.

A partir de agora, disse, deixará de centrar o seu trabalho em Macau, mas pretende continuar a representar algumas organizações do território nas reuniões da ONU, quando for analisada a implementação de tratados internacionais.

Nos últimos 17 anos, Chao disse ter assistido a uma "deterioração generalizada da proteção dos direitos".

"Quando falamos da política de Macau temos de ter a China em consideração. Nos últimos anos, os governos da China e de Hong Kong têm lutado contra o movimento de independência de Hong Kong ou outros que pretendem promover democracia. Torna a situação em Macau mais difícil", disse.

"Objetivamente vemos que a polícia está muito interessada em reunir informação sobre ativistas. Estamos sob vigilância e o Governo tem agora mais vontade de acusar os ativistas", comentou.

Por outro lado, Chao considera que a sociedade civil não "está a desenvolver-se bem".

"Até que ponto é que os cidadãos valorizam a liberdade? Pensam os cidadãos que há necessidade de lutar por maior liberdade? Estas são as bases de uma sociedade civil saudável", disse.

Tendo em conta estes dois fatores, "o ativismo em Macau é muito difícil".

"Estamos só ligeiramente melhores que a China, pelo menos ainda temos Internet livre. Mas não sabemos quando é que vamos ter de começar a usa VPN [Virtual Proxy Network]. Desejo o melhor aos meus colegas em Macau", concluiu.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon