Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Atrás do orgulho em frente ao espelho

Logótipo de O Jogo O Jogo 23/07/2017 Rui Trombinhas
© PEDRO_ROCHA

Vários aspetos unem Portugal e Escócia, que hoje têm a maior oportunidade de somar os primeiros pontos na história da competição

Portugal e Escócia chegam ao desafio de hoje com várias semelhanças: ambas as equipas participam pela primeira vez num Europeu, as duas sofreram derrotas contra rivais históricos na primeira jornada do Grupo D - Portugal perdeu por 2-0 com a Espanha, a Escócia por 6-0 com a Inglaterra - e tanto uma como outra têm nesta partida a grande de oportunidade de alcançar um resultado positivo, uma vez que as outras duas seleções representam um patamar diferente.

Francisco Neto garante que o desaire na estreia já está ultrapassado, mas deixou em aberto possíveis alterações em relação a um onze que teve algumas surpresas. Dolores Silva, médio defensivo, atuou na lateral esquerda, com Tatiana Pinto, habituada a atuar mais à frente no meio-campo, a trinco. "As jogadoras reagiram bem ao primeiro desafio. Vamos ver à hora de jogo se haverá alterações, não vou revelar isso", afirmou o treinador de Portugal. "Queremos mostrar a nossa identidade e qualidade em cada jogo. Na segunda parte, frente à Espanha, fomos muito melhores", recordou Francisco Neto, que alertou para a necessidade de corrigir determinados erros: "Temos trabalhado e melhorado a resposta ao tipo de lances que nos causaram problemas com a Espanha e que estamos à espera de encontrar agora. Temos que tentar ter mais bola. Em teoria, é o adversário mais próximo de nós, mas o futebol é estranho..."

Por outro lado, Dolores Silva garantiu que as jogadoras portuguesas "estão mais relaxadas" e estabeleceu as principais diferenças entre Espanha e Escócia. "Não jogam tanto ao ataque, mas têm muita qualidade. Jogam de forma mais direta e são uma equipa que aposta no físico, enquanto a Espanha gosta de dominar a bola com o "tiki-taka"", afirmou a jogadora do Jena, da Alemanha.

Do lado escocês, Jane Ross, avançado, sofreu uma lesão no ombro, frente à Inglaterra e fica de fora, agravando um problema que já tinha começado antes do Europeu: Jen Beattie, Emma Mitchell, Kim Little e Lizzie Arnot, peças importantes da equipa, falham a prova por lesão.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon