Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autárquicas: Ângelo Pereira reconhece história de Oeiras mas diz que munícipes pedem mais

Logótipo de O Jogo O Jogo 04/07/2017 Administrator

O candidato à Câmara Municipal de Oeiras pelo PSD/CDS-PP/PPM, Ângelo Pereira, afirmou hoje que o concelho "reconhece a sua história", mas defendeu que o município pede mais, elegendo o combate ao desemprego e pobreza como prioridades.

"Estamos certos que Oeiras reconhece a sua história, mas hoje Oeiras pede mais", defendeu Ângelo Pereira na apresentação da sua candidatura, que já esteve marcada, mas que foi adiada devido ao incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande e provocou pelo menos 64 mortes.

O candidato, vereador em Oeiras nos últimos quatro anos, destacou a qualidade de vida e a literacia acima da média.

"Oeiras é um concelho que nos orgulha, mas hoje temos de fazer muito mais", disse, elegendo "o combate ao desemprego, a pobreza e a exclusão sociais como eixos centrais", bem como a promoção do empreendedorismo.

Ângelo Pereira disse ter para um concelho "um plano a 20 anos", que passa, por exemplo, por uma maior ligação ao rio e por colocar Oeiras "na vanguarda europeia da mobilidade".

O candidato recordou que cresceu num bairro de barracas ao lado de Miraflores e prometeu, se vencer, "uma transformação realista" do concelho.

"Somos a mudança tranquila, sem demagogias, que aproveita os recursos que já temos e corrige assimetrias", afirmou, dizendo acreditar que Oeiras voltará a ser "um concelho que caminha à frente do seu tempo".

Ângelo Pereira elegeu a abstenção como "único adversário" e pediu o voto dos que "já não acreditam na política" e dos que vão exercer pela primeira vez o seu dever cívico a 01 de outubro.

Na apresentação da candidatura, que decorreu ao lado do Mercado de Algés, numa rua decorada com balões azuis e laranjas, já em estilo de comício, o líder do PSD, Pedro Passos Coelho, definiu Ângelo Pereira como uma solução que "liberta Oeiras que de um jogo político um bocadinho viciado".

"Os partidos têm que estar muito abertos à sociedade, aos independentes, mas, muitas vezes, tem-se confundido esse espaço de participação mais livre com o que são as dissidências partidárias", alertou.

Na corrida por Oeiras nas eleições autárquicas de 01 de outubro, estão os candidatos Paulo Vistas (Independentes Oeiras Mais À Frente e atual presidente do município), o antigo presidente da Câmara de Oeiras Isaltino Morais (independente e ex-presidente da autarquia), pelo PS o antigo presidente da Câmara da Amadora Joaquim Raposo, a deputada do Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) Heloísa Apolónia (Coligação Democrática Unitária - CDU), e Pedro Perestrello (Partido Nacional Renovador).

"Damos hoje aqui uma lição de humildade democrática, temos a noção de que não vai ser uma disputa fácil mas é uma disputa sem reserva mental a pensar no melhor para Oeiras", afirmou.

Também o dirigente do CDS-PP Telmo Correia criticou a cultura de "o que está fora dos partidos é que é bom".

"É uma cultura que não aceitamos, está errada", afirmou, numa apresentação onde discursou também a vice-presidente do PPM Alina Beuvink.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon