Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autárquicas/Braga: Comunista Carlos Almeida quer "desfazer" maioria absoluta da direita

Logótipo de O Jogo O Jogo 13/09/2017 Administrator

O candidato da CDU à Câmara de Braga tem como "objetivo maior desfazer a maioria absoluta" da coligação Juntos por Braga (PSD/CDS-PP/PPM) e aponta como "áreas-chave" de ação o urbanismo, o serviço público, a cultura e a educação.

Aos 35 anos, Carlos Almeida, licenciado em Ciências da Comunicação, encabeça pela segunda vez a lista da CDU à Câmara Municipal de Braga, depois de, em 2013, ter sido eleito vereador.

Antes, foi deputado na Assembleia Municipal durante dois mandatos.

Militante comunista desde os 16 anos, define o mandato da coligação Juntos por Braga - presidida por Ricardo Rio e que gere os destinos da autarquia desde 2013 - como uma "desilusão" que pouco alterou nas "políticas estruturais" seguidas por Mesquita Machado (PS) nos 37 anos em que liderou o concelho.

Nas eleições de outubro, a ambição de Carlos Almeida passa por "reforçar a votação na CDU e reforçar a presença da CDU em mandatos nas freguesias".

"O objetivo maior é desfazer a maioria absoluta de Ricardo Rio no executivo. Seja com a eleição de mais um vereador, seja contribuindo para que essa maioria deixe de existir, mesmo sem meter mais nenhum vereador", salienta.

Para isso, o comunista está confiante no "sentimento de desilusão" que afirma ser "transversal" na população.

"Havia uma promessa de rutura e Ricardo Rio não só não conseguiu esse objetivo, como também se mostrou ainda mais comprometido com os interesses dos grandes grupos económicos", diz.

Para Carlos Almeida, o futuro de Braga passa por uma "verdadeira aposta" em áreas como o urbanismo, incluindo políticas de mobilidade, construção e trânsito, uma rede de serviços públicos "desenvolvida e estudada de forma a melhorar significativamente a vida dos cidadãos", como nos transportes e na cultura e a educação, "parentes pobres" da ação governativa de Ricardo Rio.

Reconhece que houve "melhorias pontuais" nos últimos anos, mas não a nível estrutural.

Quanto à cultura, defende que "a dinâmica cultural" não pode ser medida apenas e só por um aumento de dinamismo no Theatro Circo.

"O que o Theatro Circo fez não apaga a falta de visão para criar condições para o desenvolvimento cultural feito pelo movimento associativista. A maioria PSD/CDS-PP/PPM não soube promover essa democratização no acesso à cultura", salienta.

A Câmara de Braga tem seis elementos da coligação de direita, quatro do PS e um da CDU.

A 01 de outubro, Carlos Almeida enfrenta nas urnas Ricardo Rio (PSD/CDS-PP/PPM), Paula Nogueira (BE), Armando Caldas (Nós, Cidadãos!) e Miguel Corais (PS).

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon