Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autárquicas: Candidato do PS a Aveiro quer retirar município do "provincianismo"

Logótipo de O Jogo O Jogo 04/08/2017 Administrator

O candidato do PS à Câmara de Aveiro, Manuel Oliveira de Sousa, defendeu hoje a elaboração de um plano estratégico para retirar o município do "provincianismo" e voltar a ser uma referência nacional em 2030.

"Aveiro tem de sair deste provincianismo em que tem estado colocado nos últimos anos", disse o candidato socialista, que falava à porta do Tribunal de Aveiro, onde o partido entregou hoje as listas aos vários órgãos autárquicos do concelho, para as eleições de 01 de outubro.

Em declarações aos jornalistas, Manuel Oliveira de Sousa disse que estas eleições são uma oportunidade para "terminar um ciclo na história do poder local autárquico que é o da engenharia e de fazer obras atrás de obras e catapultar Aveiro para uma cidade onde é possível viver com qualidade".

"Queremos apresentar algo que seja sustentável, com contas bem feitas, e trazer para Aveiro o que nos parece ser determinante para o futuro comum que é investimento, qualidade de vida, participação dos aveirenses através da delegação de competências e dos serviços de proximidade e transportes, para que os aveirenses possam ter acesso à capital e, daqui, poder chegar às periferias", adiantou.

O candidato socialista mostrou-se ainda determinado a levar para Aveiro "um plano estratégico que vá até 2030", adiantando que o PS não vai fazer as coisas "de forma casuística, apontamentos aqui e ali, operações de cosmética e resoluções de última hora".

Na mesma ocasião, o cabeça de lista do PS à Assembleia Municipal, Filipe Neto Brandão, criticou as alterações que foram feitas ao regimento daquele órgão no início deste mandato, nomeadamente no que diz respeito à distribuição de tempos para intervenções.

"Não passa pela cabeça de ninguém atribuir a um presidente de câmara uma hora para intervenção, para ser confrontado cinco minutos. É um absurdo. Quem tem acompanhado as Assembleias Municipais tem visto que elas não são mais do que desfiles oratórios ou retóricos do presidente da câmara", disse o candidato.

Filipe Neto Brandão desafiou o cabeça de lista da candidatura PSD/CDS-PP/PPM, Luís Souto Miranda, a dizer se "está disposto a ser uma câmara de ressonância da própria câmara municipal ou se pretende que seja um espaço de afirmação democrática".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon