Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autárquicas: Candidato PSD/PPM ao Porto pede a Costa que não discrimine Norte na saúde

Logótipo de O Jogo O Jogo 06/07/2017 Administrator

O candidato da coligação PSD/PPM à Câmara do Porto, Álvaro Almeida, apelou hoje ao primeiro-ministro para que "não discrimine" a cidade e o Norte em matéria de saúde e avance com obras na pediatria do Hospital São João.

"Senhor primeiro-ministro, por favor, avance com as obras, resolva os problemas e deixe-se de promessas. O apelo que deixo é que, por uma vez, deixe de pensar só em Lisboa - ele gosta muito de Lisboa porque foi presidente da câmara de Lisboa - e pense no Porto e na região Norte. Mude o comportamento que tem sido o do Governo central face à região Norte, que é um comportamento de discriminação", referiu Álvaro Almeida.

O candidato independente que lidera a Porto Autêntico, coligação PSD/PPM, falava à agência Lusa à saída de uma visita à ala pediátrica do Hospital São João, cujo internamento é feito atualmente em contentores que Álvaro Almeida descreveu como "degradados e velhos".

"São condições muito difíceis para as crianças, mas também para os profissionais de saúde. Esta situação põe em causa a dignidade e a segurança das crianças e dos profissionais. Felizmente, o Hospital São João tem médicos de excelência que têm prestado o melhor cuidado às crianças, apesar das circunstâncias difíceis, mas esta situação não pode continuar", afirmou o candidato.

Álvaro Almeida contou ter estado no Hospital São João em fevereiro deste ano, a acompanhar uma comitiva de deputados do PSD, tendo-lhe sido dito à data que "tinha sido encontrada uma solução e que as obras iriam avançar"

"Mas cinco meses depois nada mudou. Perderam-se cinco meses", sintetizou o candidato, segundo o qual os responsáveis do hospital estão dependentes de autorizações do Governo.

As obras da ala pediátrica, recordou, "chegaram a começar em 2015".

"Arrancaram asseguradas por uma associação de utilidade pública, a Associação Joãozinho que através de donativos conseguiu arrancar, mas foram interrompidas em 2016. Segundo a Associação Joãozinho, por responsabilidade do Governo que entretanto mudou. Há 18 meses que nada avança. O estaleiro está parado", descreveu Álvaro Almeida.

O candidato disse sair do Hospital São João "preocupado" pois não vê "nenhuma solução pronta".

"O Governo prometeu financiamento em janeiro, mas em abril fez um despacho que dizia que era preciso encontrar financiamento. Em junho já fez um protocolo que supostamente desbloqueia o processo, mas o facto é que, em termos concretos, hoje 06 de julho não há nada de efetivo e é preciso avançar com as obras", disse.

Por fim, no seu "apelo" ao primeiro-ministro António Costa, Álvaro Almeida juntou outro tema, o processo da Agência Europeia do Medicamento, apontando que a tutela "primeiro ignorou o Porto, depois arranjou desculpas esfarrapadas e, ao fim de muita pressão, admitiu que podia vir para o Porto".

"O Norte é discriminado. O financiamento é claramente inferior. É 10% inferior ao resto do país", afirmou o líder da candidatura Porto Autêntico que inseriu a visita de hoje na semana temática dedicada à infância e juventude.

Na corrida à câmara do Porto, para as eleições de 01 de outubro, somam-se como candidatos o independente Rui Moreira, apoiado pelo CDS-PP, Manuel Pizarro pelo PS, Ilda Figueiredo pela CDU e João Teixeira Lopes, pelo BE.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon