Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autárquicas: Candidatura do PPV/CDC no Porto já entregou lista no tribunal

Logótipo de O Jogo O Jogo 21/07/2017 Administrator

A candidatura do PPV/CDC à Câmara do Porto, encabeçada por Orlando Cruz, entregou hoje a lista de candidatos no Palácio da Justiça, no centro da cidade, tendo como objetivo ganhar as eleições de 01 de outubro.

"Vou lutar e vou-me candidatar para ganhar as eleições, mas, eventualmente, somos o único partido, se tivermos um vereador ou dois, ou três, capaz de chegar a um entendimento com [o candidato independente] Rui Moreira ou com o [candidato do PS] Manuel Pizarro", afirmou esta manhã à Lusa Orlando Cruz.

Segundo o candidato, "qualquer um deles [Moreira ou Pizarro] pode necessitar" de formar uma coligação pós-eleitoral para governar a cidade com maioria.

O partido Portugal Pró Vida/Cidadania e Democracia Cristã (PPV/CDC), que apenas concorre à Câmara Municipal, foi o primeiro a entregar a sua lista de candidatura no tribunal no Porto.

O facto de Orlando Cruz já ter entregado a lista em tribunal "prova como não é pessoa de desistir" e o que aconteceu nas autárquicas de 2013, ano em que anunciou ser candidato ao Porto, mas depois passou a ser candidato à presidência da Câmara de Matosinhos, é um episódio que o "deixa envergonhado".

"Orlando Cruz não desistiu nada [do Porto], foi quase obrigado a desistir. Fiquei envergonhado, porque a desistência foi forçada. Isto hoje prova que não é para desistir", disse o candidato.

Orlando Cruz, que se apresentou como candidato nas eleições presidenciais de 2016, mas acabou por anunciar desistir a favor de Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que, caso seja o próximo presidente da câmara, vai acabar com a concessão de lugares públicos de estacionamento com parcómetros no Porto.

"Quero construir mais habitação social e para isso é preciso começar a cortar nas despesas. Não posso acreditar que a Câmara Municipal concessionou o estacionamento na rua, pagando a uma empresa. Quero acabar com isso e que o serviço passe a ser camarário", disse.

Orlando Cruz defendeu que se a gestão, manutenção e fiscalização dos lugares públicos de estacionamento com parcómetros for assegurada por funcionários da autarquia é possível "poupar muito dinheiro, que depois dá para construir habitações sociais".

"Se for eleito, acabam-se também os carros dos vereadores. Os carros são para estar ao serviço da câmara nas horas de trabalho. Fora das horas de trabalho os vereadores devem andar nos transportes públicos ou viaturas próprias, como toda a gente", sublinhou.

Criticando a comunicação social por ausências na cobertura da sua candidatura, quando "à partida todos os candidatos são iguais", Orlando Cruz prometeu ainda fazer "uma campanha diferente" e "surpreendente", sustentada em "contactos porta a porta".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon