Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autárquicas: Candidatura PSD/PPM ao Porto critica adiamento das obras no Bolhão

Logótipo de O Jogo O Jogo 11/07/2017 Administrator

A candidatura do PSD/PPM à Câmara do Porto repetiu hoje a classificação "abaixo de sofrível" em relação à capacidade executiva da Câmara do Porto (CMP), um dia após ter sido anunciado o adiamento das obras de reabilitação do Mercado do Bolhão.

Num comunicado enviado à agência Lusa, a candidatura Porto Autêntico, liderada por Álvaro Almeida, considera o episódio "com o habitual jeito de enjeitar responsabilidades", exemplo "da ineficácia executiva da câmara que governou durante quatro anos e que, de facto, pouco ou nada fez".

Denunciando "a promessa em 2013 inscrita no manifesto de Rui Moreira chamado 'Ideias para Ganhar e Cumprir'" denominada "Reabilitar o Mercado do Bolhão... Um ano para execução", a candidatura Porto Autêntico considera que a "realidade hoje é bem diferente".

"O início das obras de reabilitação do mercado do Bolhão acaba de ser adiado por mais três meses, ou seja, um mandato completo cheio de nada, bem demonstrado num simples balanço do cumprimento da esmagadora maioria das 22 promessas inscritas nesse mesmo documento", acusa.

E acrescenta: "este episódio (...) demonstra mais uma vez que a candidatura Porto Autêntico tem razão quando afirma que a capacidade executiva da Câmara do Porto liderada por Rui Moreira em coligação com os socialistas de Manuel Pizarro é abaixo de sofrível".

Como exemplos disso, a candidatura apontou a "reabilitação do Bolhão, Centro de Congressos no Palácio de Cristal, requalificar o antigo Matadouro Municipal, reabilitar e expandir a Biblioteca Municipal, Valorizar Campanhã, reabilitar a marginal do Douro até ao Freixo, a Linha do Metro do Campo Alegre, Interface rodoviário em Campanhã, devolver os guarda noturnos à cidade".

Classificando como uma "série de trapalhadas" os anúncios de realizações que a CMP vem registando, a candidatura recorda "a instalação dos vendedores do mercado num espaço que, afinal, não está disponível porque envolvido num processo de insolvência".

Lembrando também a "propagandeada aquisição do Teatro Sá da Bandeira, sujeita a um direito de preferência do atual inquilino", a candidatura levanta dúvidas sobre se a "câmara não é capaz de estudar séria e aprofundadamente os dossiês" ou se está "numa apressada necessidade de apresentar iniciativas para a campanha eleitoral?".

Acusa ainda Rui Moreira de fazer "eventos, distribuindo condecorações, tentando apropriar-se dos benefícios trazidos pelo turismo ao centro da cidade ou inaugurando pequenas obras, fazendo de conta que tem algo de significativo a apresentar aos portuenses".

"Isto numa campanha eleitoral em que deliberadamente aproveita recursos municipais, desde logo a sua condição de ainda presidente da câmara, anunciando projetos que mais não são do que promessas de fazer o que não foi capaz de executar durante o seu mandato", assinala a candidatura.

As eleições autárquicas estão agendadas para 01 de outubro.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon