Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autárquicas: CDU reclama melhores condições laborais na principal fábrica de Bragança

Logótipo de O Jogo O Jogo 28/09/2017 Administrator

O candidato da CDU à Câmara de Bragança, António Morais, reclamou hoje melhores condições de trabalho na principal fábrica do concelho, a Faurecia, onde "apenas cerca de 30 por cento dos menos de 1.000 trabalhadores" são efetivos.

A candidatura fez hoje uma ação de campanha à porta da fábrica, com entrega de propaganda aos trabalhadores que, António Morais garantiu, "a CDU visita regularmente e não apenas em tempo de campanha eleitoral.

"Isto enquadra-se na luta autárquica na medida em que uma das áreas importantes que temos que equacionar é a fixação da população e, nomeadamente a população trabalhadora, [que] passa, obviamente por ter trabalho, em primeira instância, e isso acontece aqui na Faurecia", observou.

A questão que se coloca, na opinião do candidato é que "é um trabalho que tem de ter estabilidade, através de um salário digno e adequado, inclusive à produtividade que esta fábrica tem e que está no top".

Segundo António Morais, "a média dos salários é pouco mais que o ordenado mínimo" e esta fábrica "pode ter uma política de salários bastante razoável e não a tem, infelizmente".

Aponta, por outro lado, "a precariedade" concretizando que "cerca de 30 por cento" do total, "que não chega a mil trabalhadores é, efetivo, o resto é precário".

O candidato da CDU conclui que a precariedade e os baixos salários "são dois fatores que não contribuem em nada para a fixação da população, nomeadamente a população trabalhadora".

"É sabido que estes trabalhadores, numa primeira oportunidade, irão para fora e é mais um buraco na desertificação do nosso concelho, tendo em conta que há aqui muitos trabalhadores que estão sediados na cidade, mas também vêm das aldeias", afirmou.

Para António Morais "o papel da Câmara é fundamental, nem que mais não seja do ponto de vista até diplomático".

"É evidente que não tem de se imiscuir de forma direta na política salarial, mas a Câmara - e bem - apoia a Faurecia a vários níveis, e pode e deve dar um sinal de que há a necessidade da Faurecia como empresa multinacional de ter uma política adequada do ponto de vista salarial, quer a nível do salário, quer a nível da precariedade que infelizmente é muita", considerou.

Além de António Morais da CDU, concorrem à Câmara de Bragança, o atual presidente Hernâni Dias pelo PSD, Carlos Guerra pelo PS, Francisco Pinheiro do CDS-PP, José Freire do BE e Manuel Vitorino pelo PDR.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon