Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autárquicas: Cristas fixa objetivo de atribuir casas municipais num prazo de um a dois meses

Logótipo de O Jogo O Jogo 23/08/2017 Administrator

A candidata do CDS-PP à Câmara de Lisboa, Assunção Cristas, reiterou hoje que há 1600 fogos de habitação social fechados na capital, fixando o objetivo de que nenhuma casa demore mais de dois meses a ser atribuída.

"Daremos instruções claras à [empresa municipal de habitação] Gebalis para que não haja nenhuma casa que demore, no máximo, mais de um a dois meses a ser atribuída, desde o momento que vaga até ao momento em que é atribuída", comprometeu-se Assunção Cristas, numa visita ao bairro do Condado, na freguesia de Marvila.

A candidata da coligação "Pela Nossa Lisboa" (CDS-PP/MPT/PPM) adiantou que fará "as alterações na estrutura da Gebalis que sejam necessárias para garantir que estes objetivos são cumpridos", mas não está a considerar extinguir a empresa que gere a habitação municipal.

"Não é possível ter uma empresa pública, neste caso municipal, a gerir os bairros sociais e não ouvimos um elogio ou um reconhecimento a essa empresa. Pelo contrário, só ouvimos críticas em todo o lado e em toda a cidade, o que significa que funciona muito mal", afirmou.

"Podemos prescindir dela? O modelo, na minha visão, não está necessariamente errado, o funcionamento está profundamente errado e tem de ser profundamente revisto", acrescentou.

Na visita ao bairro do Condado, além de queixas sobre a higiene urbana, Assunção Cristas voltou a ouvir reclamações de moradores sobre a existência de casas vazias, muitas emparedadas, como foi mostrado à candidata, em contraste com as necessidades habitacionais que dizem existir.

Na limpeza urbana, as queixas foram sobretudo acerca da ausência de limpeza de passeios e dos caixotes do lixo, e de deficiente recolha do lixo.

"Isto não são condições para as pessoas viverem. Aqui há gente, aqui vive gente que tem direito a ser tratada com toda a dignidade. Se a Câmara Municipal de Lisboa não olha para as situações de maior pobreza, então, perguntamos, quais são as suas prioridades?", questionou.

Sobre a atribuição das casas e a gestão do parque habitacional, Assunção Cristas colocou a questão sobretudo em termos políticos: "Quem atribui as casas não é a Gebalis, a Gebalis gere o parque habitacional, quem atribuiu as casas é a Câmara Municipal".

"Nós temos de garantir que há uma prioridade política clara, que não há nenhuma casa fechada, que não há nenhuma casa sem ser atribuída", declarou.

Desde que começou a visitar bairros municipais, no ano passado, Assunção Cristas tem reiterado que existem 1600 fogos encerrados, por atribuir, referindo-se só a habitações em bairros, sem contar fogos camarários dispersos pela cidade.

"Comecei as visitas em Lisboa pelos bairros sociais e vou continuar a chamar sempre a atenção para esta situação, porque não é com este tipo de atuação que a Gebalis e que a Câmara Municipal de Lisboa estão próximas das pessoas e lhes dão a mão em situações difíceis", declarou.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon