Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autárquicas/Guarda: Professor de música Carlos Canhoto (CDU) propõe aposta na cultura

Logótipo de O Jogo O Jogo 13/09/2017 Administrator

O cabeça de lista da CDU - Coligação Democrática Unitária (PCP-PEV) à Câmara Municipal da Guarda nas eleições de 01 de outubro, Carlos Canhoto, defende uma aposta na cultura e a atribuição de apoios à criação artística.

Aos 43 anos, o saxofonista, professor de música e investigador Carlos Canhoto de Almeida, natural de Estarreja, mas residente no concelho da Guarda há vários anos, candidata-se à presidência da autarquia após, em 2013, ter sido cabeça de lista à Assembleia Municipal.

O atual deputado municipal, que também já foi candidato à Assembleia da República pelo círculo eleitoral da Guarda, destaca no seu programa o setor cultural e apresenta várias propostas ao eleitorado, a começar pelo "reforço orçamental para a cultura, com uma programação regular, coerente e de qualidade que abranja todo o concelho".

"O reforço de meios para o Teatro Municipal da Guarda e a dinamização de outros espaços existentes no concelho, nomeadamente os auditórios de Famalicão e Gonçalo", são outras das propostas.

O candidato da CDU defende ainda "apoios à criação artística e uma política de apoio e fomento da reabilitação do património histórico e da sua divulgação", bem como a criação de uma Escola Pública de Artes no espaço do antigo Hotel de Turismo.

Segundo o candidato, a CDU apresenta-se com um programa eleitoral "assente em princípios orientadores que advêm dessa proximidade às populações, da auscultação dos seus verdadeiros problemas, apresentando um conjunto de propostas que vai de encontro à realidade do concelho da Guarda".

A candidatura, que tem como lema "Defender e desenvolver o concelho", promete "defender e desenvolver as freguesias rurais, contribuindo para travar o seu abandono", apoiar o comércio tradicional e as micro, pequenas e médias empresas, com especial relevo para as que têm "uma ligação às especificidades naturais e culturais do concelho".

No ambiente, defende, entre outras ideias, mais espaços verdes, a despoluição do Rio Noémi e de outras linhas de água e a promoção da reflorestação do concelho.

O candidato também promete "uma intervenção ativa e exigente junto do Governo em defesa dos serviços públicos, nomeadamente em áreas como a saúde, a educação ou os transportes", destacando-se o fim das portagens nas autoestradas A23 (Guarda/Torres Novas) e A25 (Aveiro/Vilar Formoso).

Na apresentação da candidatura, Carlos Canhoto apontou que "infelizmente" ainda "há muitos concelhos que não tiveram a felicidade de ver a CDU gerir os seus destinos", como "é o caso do concelho da Guarda".

À gestão do PS, "caracterizada por opções políticas erradas", seguiu-se "um mandato caracterizado pelo populismo e protagonizado pela nova maioria PSD/CDS-PP", disse.

O candidato da CDU é docente na Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco e nos Conservatórios de Música da Guarda, Castelo Branco e Covilhã.

Em termos associativos, já foi líder da Associação dos Profissionais do Ensino da Música e atualmente é presidente do Conselho Fiscal da Associação Portuguesa do Saxofone e membro da direção do Síntese - Grupo de Música Contemporânea. É também membro do Movimento em Defesa da Cultura - Um Por Cento para a Cultura e dirigente do Sindicato dos Professores da Região Centro.

O candidato é ainda membro da Direção da Organização Regional de Guarda do PCP e da Comissão Nacional do PCP para a Cultura.

O agora candidato pela CDU à presidência da autarquia da Guarda também já foi candidato à Assembleia Municipal de Viseu e à presidência da Junta de Freguesia de Abraveses, no mesmo concelho.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon