Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autárquicas: Jerónimo de Sousa critica políticas de "desastre nacional" do PS, PSD e CDS

Logótipo de O Jogo O Jogo 08/07/2017 Administrator

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, acusou hoje o PS, PSD e CDS-PP de terem conduzido políticas de "desastre nacional" com o discurso de que era preciso acabar com as "gorduras do Estado".

Intervindo num almoço da candidatura autárquica a Vila Franca de Xira, Jerónimo de Sousa criticou as "políticas desastrosas" que ao longo dos anos promoveram "o desmantelamento da administração pública e degradou todas as funções do Estado, incluindo as funções de soberania, incluindo a segurança e a defesa com as consequências também agora em Tancos e o roubo de material de guerra".

"Como é que foi possível, perguntam. Foram políticas conduzidas por sucessivos governos do PS, PSD e CDS e que tiveram no Governo anterior do PSD/CDS e no seu discurso sobre as `gorduras do Estado´ o mais acabado exemplo dessa política de desastre nacional", acusou Jerónimo de Sousa.

O secretário-geral comunista centrou depois as críticas nos líderes atuais do PSD e do CDS-PP, afirmando que tais políticas foram conduzidas pelos "mesmos que agora proclamam aos sete ventos, como o fazem Passos e [Assunção] Cristas, que o Estado falhou".

"Eles que mandaram a pedra e agora escondem a mão", acusou.

Para o secretário-geral do PCP, "não foi o Estado que falhou", foi quem em seu nome "decidiu políticas contrárias ao interesse nacional", a "política de direita" que "Passos, [Paulo] Portas e Cristas, sua ministra da Agricultura, aplicaram também com tanto zelo e em relação à qual o Governo do PS tem dificuldades de se descolar".

"A política do cortar em série e de guerra aos trabalhadores da Administração Pública, à justiça, às forças de segurança, aos militares. A política do saem dois e não entra nenhum, a política de centralização que liquidou estruturas necessárias à orientação da floresta", disse.

Segundo Jerónimo de Sousa "há responsabilidades outras a apurar" mas "nem Passos, nem Cristas, nem a política de direita de anos e anos podem passar impunes desta situação e do apuramento das suas responsabilidades".

"Não acusem, admitam que podem ser responsabilizados por aquilo que fizeram no Governo", disse, aplaudido pelos militantes comunistas e apoiantes da CDU.

Jerónimo de Sousa pediu votos para reforçar a CDU e o PCP "para se darem novos, mais substanciais e firmes passos na solução dos problemas de fundo do país" e lembrou as propostas como o aumento das pensões de reforma.

A este propósito, Jerónimo de Sousa criticou Passos Coelho: "Só uma incontida insensibilidade social e ressabiamento político pode justificar" que Pedro Passos Coelho tenha considerado errada a opção de aumentar as pensões".

O PCP, através da coligação com o PEV e ID, espera reconquistar a presidência da Câmara de Vila Franca de Xira que perdeu em 1997 para o PS, com a candidatura de Regina Janeiro, que reuniu hoje num almoço de arranque da pré-campanha 1200 pessoas no Pavilhão Multiusos do concelho.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon