Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autárquicas: Luís Barroso recandidata-se como independente à Câmara de Lagos

Logótipo de O Jogo O Jogo 03/09/2017 Administrator

O independente Luís Barroso vai recandidatar-se à Câmara de Lagos pelo movimento "Lagos com Futuro" nas próximas eleições autárquicas de 01 de outubro.

O atual vereador, de 58 anos, é gestor e empresário desde 1984, sendo licenciado em Gestão Financeira pela Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo da Universidade do Algarve.

A candidatura independente, que nas eleições de 2013 conseguiu eleger Barroso como vereador e diversos membros para os restantes órgãos autárquicos, também apresenta de novo listas à Assembleia Municipal e às juntas de freguesia de São Gonçalo, Luz, Odiáxere, Bensafrim e Barão de São João.

No manifesto do movimento, publicado no seu sítio de Internet, lê-se que o objetivo do grupo de cidadãos é "incentivar a participação de todos os cidadãos nos destinos" do concelho, implementando "uma nova visão estratégica de modo a atrair novos investimentos e emprego".

Defendem ainda a dinamização da economia local durante todo o ano, a criação de condições para uma habitação jovem a um preço justo, a intervenção na área da segurança, garantindo maior conforto na circulação dentro da cidade, e para a afirmação de Lagos como um "centro de modernidade e referência cultural do Algarve", potenciar o centro histórico e estimulando o seu repovoamento.

Luís Barroso vai defrontar Joaquina Matos, atual presidente da autarquia, que se recandidata pelo PS, Nuno Serafim, que concorre pelo PSD, Ana Paula Viana, cabeça-de-lista da CDU, Margarida Maurício, do PAN, e Manuela Goes, do BE.

Nas eleições autárquicas de 2013, o PS obteve a maioria absoluta em Lagos, com 34,93 por cento dos votos (quatro mandatos), o PSD alcançou 17,31% (um mandato), PCP/PEV 13,83% (um mandato) e o Movimento Lagos com Futuro 13,46% (um mandato).

O CDS-PP/MPT foi a quinta força mais votada (6,37% dos votos), seguido do Bloco de Esquerda (3,8%) e da coligação PPM/PPV/PND (1,67%), que não obtiveram quaisquer mandatos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon