Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autárquicas: O pior que poderia acontecer ao Funchal é uma maioria absoluta - CDU

Logótipo de O Jogo O Jogo 19/09/2017 Administrator

O candidato da CDU (PCP/PEV) à presidência da Câmara Municipal do Funchal nas eleições de outubro, Artur Andrade, disse hoje que o pior que poderia acontecer à autarquia era "alguém ter maioria absoluta".

"Alguns pedem hoje maiorias absolutas na Câmara Municipal do Funchal, querem o poder absoluto para o 'quero, posso e mando', para não terem que negociar com outros, para terem que ouvir outros, para poderem fazer o que lhes der na real gana. Era o pior que nos poderia acontecer. O pior que pode acontecer ao Funchal é, neste momento, alguém ter uma maioria absoluta", avisou, num comício no Bairro da Nazaré, numa esplanada.

Numa alusão aos 38 anos de governação do social-democrata Alberto João Jardim na região, o candidato sublinhou que a Madeira tem já experiência da maioria absoluta nesta terra durante 40 anos".

O advogado e vereador, que se candidata pela terceira vez pela CDU no concelho, lembrou que o "povo do Funchal conhece bem a CDU".

"E conhece a CDU não é de palavra, não é de paleio, não é de promessas. O povo do Funchal conhece a CDU da luta pelo caminho, da luta pela estrada, da luta pelo saneamento básico, da luta pela habitação, porque sempre que foi necessário a CDU estava lá", observou.

Artur Andrade criticou a candidata do PSD, Rubina Leal, que, disse, agora "vem prometer mundos e fundos" fazendo parecer que "não esteve oito anos na Câmara e que não está há dois anos no Governo [Regional]".

Não faltaram também críticas ao presidente da autarquia, Paulo Cafôfo - que se recandidata pela coligação Confiança, liderada pelo PS - por nos últimos dois meses publicar nos jornais concursos e adjudicações.

"Mas é nos últimos dois meses de mandato que o professor Paulo Cafôfo se lembra disso?", perguntou.

Para Artur Andrade, "manifestamente esta 'Mudança' [nome da coligação encabeçada por Cafôfo em 2013] foi uma 'mudançazinha', foi tão pouco significativa".

"Penso que há funchalenses que tiveram esperança, criaram expectativas, mas que hoje estão profundamente frustrados", referiu.

Nas eleições autárquicas de 29 de setembro de 2013, a coligação "Mudança" (PS/BE/PND/MPT/PTP/PAN) teve 39,22% (cinco mandatos); o PPD/PSD 32,43% (quatro); o CDS-PP 14,55% (um) e o PCP - PEV 8,37% (um).

São candidatos à presidência da Câmara Municipal do Funchal Rubina Leal (PSD), Rui Barreto (CDS-PP), Artur Andrade (CDU), o atual presidente, Paulo Cafôfo (PS/BE/JPP/PDR/Nós, Cidadãos!), Gil Canha (PPM/PURP), Raquel Coelho (PTP), Jorge Santos (PCTP/MRPP) e Roberto Vieira (MPT/PPV-CDC).

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon