Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autarca de Penalva do Castelo anuncia investimento privado de um milhão de euros em 'resort'

Logótipo de O Jogo O Jogo 18/07/2017 Administrator

O presidente da Câmara de Penalva do Castelo, Francisco Carvalho, anunciou hoje que vai ser instalado no concelho um 'resort' turístico, que resulta de um investimento privado que ronda um milhão de euros.

De acordo com o autarca, o investimento será da responsabilidade de uma empresa portuguesa em sociedade com uma empresa brasileira, que visa a construção de um 'resort' com residência periódica.

"Irá iniciar com um complexo com 120 apartamentos e irá atingir os 420. Ainda estamos numa fase embrionária, mas já temos o 'acarinhar' por parte do Turismo do Centro e a Câmara Municipal vai estar de braços abertos para este investimento", apontou.

Francisco Carvalho revela que numa primeira fase serão criados 300 postos de trabalho, podendo posteriormente chegar aos 500.

"Num universo de 8 mil habitantes, criar-se, de um momento para o outro, 300 postos de trabalho é muito importante. Serve essencialmente para evitar que os nossos jovens, que acabam os seus cursos, saiam do concelho ou do país", evidenciou.

O arranque das obras deverá ter lugar no início do próximo ano, nascendo o 'resort' à entrada da vila.

Para o autarca, este investimento vem potenciar aquilo que o concelho tem de melhor, as suas paisagens, na área do turismo em que já tem alguma experiência, nomeadamente com o hotel de charme Casa da Ínsua e com o hotel Portas do Dão.

"Tivemos a sorte de ter dois penalvenses, são dois irmãos, um cá e outro no Brasil, a fazer a ponte entre Portugal e o Brasil e ainda tivemos a sorte em ter uma quinta ainda por 'estragar' e que reúne todas as condições para alojar este empreendimento. Depois também contou a falta de segurança no Brasil e a credibilidade de Portugal, que é a porta principal da Europa", justificou.

No seu entender, os investidores viram ainda nos produtos endógenos - o queijo Serra da Estrela, maçã Bravo Esmolfe e vinho do Dão - um atrativo, para além da localização geográfica.

"Estamos a 50 quilómetros da Serra da Estrela, estamos perto de Espanha e de Aveiro. Estamos perto de tudo, a 10 quilómetros da A25 e espero que essa distância ainda seja encurtada com a criação de um novo acesso", concluiu.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon