Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autarcas e utentes consideram que situação na Transtejo é "insustentável"

Logótipo de O Jogo O Jogo 09/10/2017 Administrator

O presidente da Câmara do Seixal afirmou hoje que a situação na empresa Transtejo "é insustentável", referindo que a população está a ser prejudicada por "pagar um serviço" fluvial do qual não usufrui.

O presidente da autarquia, Joaquim Santos (PCP), acompanhado pelo presidente da União das Freguesias do Seixal, Arrentela e Aldeia de Paio Pires, António Santos, e vários elementos da Comissão de Utentes dos Transportes apanharam hoje o barco para Lisboa, como forma de mostrar a sua solidariedade para com a população do Seixal.

"Esta é uma situação insustentável, que prejudica diariamente a população, que paga um serviço do qual não usufrui. Basta referir que desde 2011 já foram suprimidas 16 carreiras diárias e que se tem vindo a acentuar o desinvestimento da empresa na manutenção e reforço da frota", afirmou o autarca.

Joaquim Santos defendeu que, apesar das várias reuniões e reivindicações da autarquia, até ao momento "nada foi feito", lembrando que em junho deste ano o Ministério do Ambiente anunciou um investimento de 10 milhões de euros para o plano de manutenção da frota de navios da Transtejo e Soflusa.

O autarca salientou que a população tem apresentado "milhares de reclamações", mas que não obtém respostas.

A Transtejo é a empresa responsável pelas ligações do Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão com Lisboa, enquanto a Soflusa faz a ligação entre o Barreiro e a capital.

Na Soflusa, no dia de hoje, foram suprimidas algumas das carreiras previstas por a empresa só dispor de quatro navios operacionais

De acordo com a companhia, o navio 'Damião de Goes', que está a ser reparado, pode sair a qualquer o momento do estaleiro e retomar a sua atividade, "o que permitirá minimizar a diminuição de carreiras nas horas de ponta".

"Apesar de a empresa estar a desenvolver todos os esforços para repor a normalidade das carreiras, poderá continuar a verificar-se alguma diminuição de carreiras", revelou a transportadora.

Na sexta-feira, a Soflusa anunciou que não vai conseguir assegurar esta semana todas as carreiras, por "indisponibilidade da frota".

A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), afeta à CGTP, referiu que os "constrangimentos de serviços e problemas acrescidos para os utentes têm sido a norma no dia de hoje", devido à redução de mais um navio ao serviço.

"Deviam ser seis e até ao final da semana, pelo menos, serão apenas quatro e, nestes momentos, é preciso relembrar que existem responsáveis por esta situação, que não são os trabalhadores, mas os governos e suas administrações, que apostaram na redução do serviço público", salienta em comunicado.

Os trabalhadores da Soflusa já decidiram, em plenário, avançar para uma greve ao trabalho extraordinário.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon