Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autoridades cipriotas turcas anunciam que maronitas podem regressar às suas casas

Logótipo de O Jogo O Jogo 26/07/2017 Administrator

As autoridades cipriotas turcas anunciaram hoje que vão permitir o regresso aos locais de origem dos maronitas deslocados após a ocupação da parte norte de Chipre pela Turquia em 1974.

Em comunicado, o gabinete do líder cipriota turco, Mustafa Akinci, informou que "as autoridades vão elaborar em breve um roteiro" para concretizar as medidas necessárias sobre a aplicação desta decisão.

O texto precisa que os cipriotas maronitas poderão regressar a três das quatro povoações que tradicionalmente habitavam, e que desde 1974 estão sob jurisdição militar, numa referência a Agia Marina, Asomatos e Karapasia, que antes de 1974 eram na sua maioria habitados por esta comunidade religiosa católica de rito oriental.

Na quarta localidade, Kormakitis, continuam a viver 120 maronitas que recusaram abandonar as suas casas e propriedades na sequência da invasão turca.

Os primeiros maronitas, com origem em São João Marun, um monge sírio do século V, chegaram a Chipre nos finais do século VII procedentes do Líbano e em fuga do avanço dos árabes.

Com 6.000 membros, a comunidade maronita constitui o terceiro maior grupo religioso da ilha, depois dos cristãos ortodoxos e dos muçulmanos, e possui o seu próprio arcebispado.

De acordo com a Constituição de Chipre, convivem no país duas comunidades, os cipriotas gregos de religião cristã ortodoxa e os cipriotas turcos de religião muçulmana, e três grupos religiosos (maronitas, arménios e latinos), que possuem um representante próprio no parlamento do país.

Através dos séculos, os maronitas de Chipre mantiveram o seu idioma, o árabe maronita, que o Governo cipriota reconheceu em 2008 como uma língua minoritária.

A decisão das autoridades cipriotas turcas ocorre após o recente fracasso das negociações de paz para a reunificação da ilha.

Com cerca de um milhão de habitantes, Chipre está dividida desde a invasão da parte norte da ilha pelo exército turco em 1974, numa reação a um fracassado golpe de Estado que pretendia a união do país à Grécia (Enosis).

Desde então que a República de Chipre, admitida na União Europeia (UE) em 2004, apenas exerce a sua autoridade na parte sul da ilha (63% do território), onde os cipriotas gregos são largamente maioritários.

Os cipriotas turcos (cerca de 200.000) estão concentrados na autoproclamada República Turca de Chipre do Norte (RTCN, apenas reconhecida por Ancara), onde a Turquia mantém cerca de 35.000 soldados.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon