Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

BE defende discussão sobre futuro de instalações do ex-Colégio Almeida Garrett, Porto

Logótipo de O Jogo O Jogo 10/07/2017 Administrator

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, defendeu hoje que é necessário que o Porto discuta qual o destino a dar às instalações do antigo colégio Almeida Garrett, na Baixa citadina, propriedade da Universidade.

Trata-se, segundo a dirigente do Bloco, de "um espaço que é emblemático para a cidade, que é da Universidade do Porto, que tem neste momento problemas estruturais que estão à vista e que vai ter de ser encerrado".

"Há instituições que vão ter de mudar de espaço - Academia Contemporânea de Espetáculos (ACE) e Teatro Universitário do Porto (TUP) -- e há um debate que a cidade do Porto vai ter de fazer sobre o que é que quer no seu centro, como é que o seu centro pode ser vivido e se pode ter gente dentro que não só turistas. É um debate muito importante que se abre neste momento, quando sabemos que este espaço vai ter necessariamente novos usos", sublinhou.

Salientando o facto de o edifício estar implantado no "coração da cidade do Porto", Catarina Martins acrescentou: "Acho que não nos perdoávamos se em frente a um hotel nascesse outro hotel".

"Queremos mais um hotel no centro da cidade ou queremos um espaço que responda à necessidade de espaços culturais e informais dos próprios estudantes da universidade no coração da cidade?", questionou.

A acompanhar a visita da coordenadora do BE esteve o reitor da Universidade do Porto, Sebastião Feyo de Azevedo, que em declarações aos jornalistas referiu que "é bem claro que este edifício não pode continuar como está e, portanto, em termos gerais terá que ser encerrado".

"Iremos procurar com a ACE e com o TUP uma solução para as atividades muito importantes que têm vindo a desenvolver e, em terceiro lugar, há a questão deste edifício. Neste aspeto, a Universidade do Porto tem a sua autonomia de gestão", afirmou.

Feyo de Azevedo considerou que "a Universidade do Porto não pode gerir o seu património com algum tipo de limitações".

"Isto custa muito dinheiro, temos investido imenso na cultura e no património e, é no quadro dessa estratégia de investimento, que temos de perceber o que vai ser feito neste edifício", acrescentou.

A Universidade do Porto (UP) quer alienar ou concessionar o direito de superfície do prédio do antigo colégio Almeida Garrett, localizado no centro da cidade.

De acordo com a recente publicação em Diário da República, a UP lançou um concurso público para "alienação ou concessão de direito de superfície do prédio designado 'ex-colégio Almeida Garrett'", por um preço base de 4,768 milhões de euros.

"O procedimento visa a celebração de contrato de compra e venda do espaço denominado 'ex-colégio Almeida Garrett', ou a celebração do contrato referente à cedência em direito de superfície por um período máximo de 30 anos", especifica o anúncio.

Localizado na freguesia do centro histórico do Porto, o imóvel tem entrada pela praça Coronel Pacheco e está inserido num terreno com uma área total de 8.520 metros quadrados, suficiente para ali instalar oito campos de futebol.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon