Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Benfica com enorme supremacia no histórico diante do Rio Ave

Sportinveste 05/05/2014 Fonte: Sportinveste Multimédia
Benfica favorito frente ao estreante Rio Ave © Sportinveste Multimédia Benfica favorito frente ao estreante Rio Ave

O Benfica tem uma enorme supremacia no histórico dos confrontos futebolísticos com o Rio Ave, com 33 vitórias e apenas três derrotas, em vésperas do 46.º confronto, a final da edição 2013/14 da Taça da Liga.

Numa história que só começou a ser “contada” a partir de 1979/80, a primeira época dos vila-condenses entre os “grandes”, os “encarnados” estão muito perto dos 100 golos marcados, somando 98, contra 32 do adversário de quarta-feira, em Leiria.

A formação da Luz manda em todas as provas, sendo que ganhou os quatro embates na Taça de Portugal, o único na Taça da Liga e não perdeu nenhum jogo em casa, onde soma 17 vitórias e quatro empates, com 58 golos marcados e 13 sofridos.

Por tudo isto, Pires e Miguelito, que escreveram as vitórias por 1-0 de 1981/82 e 2004/05, respetivamente, são nomes incontornáveis, bem como Peu, Nenad e Marcos, que, em 1997/98, selaram o 3-1 que, à quarta ronda do campeonato, despediu Manuel José do cargo de treinador dos “encarnados”.

Estes três jogos são, porém, a exceção no domínio dos “encarnados, que, logo em 1979/80, “batizaram” o Rio Ave na primeira divisão com um total de 11-0.
A 02 de setembro de 1979, o Benfica venceu por 3-0 em Vila do Conde, onde Jorge Gomes “bisou” e Reinaldo marcou, e, na segunda volta, goleou na Luz por 8-0, com “hat-tricks” de Reinaldo e Nené e dois golos do central Humberto Coelho.
Os vila-condenses venceram logo o terceiro jogo, mas, depois, a formação lisboeta somou 15 jogos consecutivos a pontuar, cedendo apenas três empates: dois dos triunfos aconteceram com o Rio Ave na segunda divisão, em jogos da Taça de Portugal.
Depois, em 1997/98, o Rio Ave “despediu” Manuel José, com um triunfo categórico por 3-1, amenizado aos 89 minutos por um penálti de João Vieira Pinto.
O Benfica “respondeu” com quatro triunfos consecutivos, mas o Rio Ave voltou a pontuar em 1999/00 e viveu o seu melhor período no histórico com os “encarnados” entre 2003/04 e 2005/06, somando quatro encontros consecutivos sem perder.
A equipa de Vila do Conde empatou 1-1 na receção ao Benfica na 29.ª ronda de 2003/04 e, na época seguinte, roubou cinco pontos aos campeões, comandados por Giovanni Trapattoni: 3-3 na Luz e 1-0 em casa, num triunfo selado pelo ex-benfiquista Miguelito.
Na época seguinte, o Rio Ave voltou a empatar na Luz (2-2) e, na segunda volta, quase conseguiu pontuar pela quinta vez seguida. Valeu ao “onze” de Ronald Koeman um golo do angolano Mantorras, em “cima” dos 90 minutos.
De regresso à Liga principal, em 2008/09, o Rio Ave pontuou pela quinta vez em seis jogos (1-1 em casa, na ronda inaugural), mas, depois disso, o domínio do Benfica é quase absoluto, com 12 vitórias em 13 jogos.
O melhor que o Rio Ave conseguiu foi um empate caseiro a dois, em 2011/12. De resto, só “deu” Benfica, que conseguiu um triunfo expressivo por época: 5-2 em 2010/11, 5-1 em 2011/12, 6-1 em 2012/13 e 4-0 já na presente temporada.
Na temporada anterior a esta série, em 2009/2010, o conjunto de Jorge Jesus também logrou um triunfo histórico: na última ronda, dois golos de Oscar Cardozo valeram o título (2-1) e, por acréscimo, o título de melhor marcador ao paraguaio.
Em 2013/14, o saldo é de 7-1, já que, além da goleada caseira, no último jogo, a 07 de abril, os “encarnados" venceram por 3-1 em Vila do Conde.

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon