Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Biogás produzido em aterro é combustível para camiões do lixo em Mirandela

Logótipo de O Jogo O Jogo 04/07/2017 Administrator

O projeto Biogasmove, que está a ser implementado em Mirandela, representa um investimento de 1,5 milhões de euros e visa o tratamento e aproveitamento do biogás, injetando-o como combustível para os camiões de transporte de resíduos. A iniciativa visou a construção de uma unidade de tratamento de biogás e sua injeção nos depósitos dos veículos pesados. "O que quer dizer que um camião de resíduos traz o resíduo sólido urbano das cidades, esse resíduo ...

O projeto Biogasmove, que está a ser implementado em Mirandela, representa um investimento de 1,5 milhões de euros e visa o tratamento e aproveitamento do biogás, injetando-o como combustível para os camiões de transporte de resíduos.

A iniciativa visou a construção de uma unidade de tratamento de biogás e sua injeção nos depósitos dos veículos pesados.

"O que quer dizer que um camião de resíduos traz o resíduo sólido urbano das cidades, esse resíduo sólido urbano é tratado ali naquela infraestrutura, que nos entrega o biogás que metemos no depósito do camião que vai, outra vez, buscar o resíduo", explicou hoje o presidente do Conselho de Administração do grupo Dourogás, Nuno Moreira.

Para o responsável, isto significa que existe "um ciclo de energia zero. (...) O próprio resíduo que ele traz é usado no motor do camião por forma a transportá-lo", sustentou.

O projeto de demonstração Biogasmove representa uma "evolução a nível tecnológico e comporta uma maior eficiência na utilização do biogás". O biogás (gás dos pântanos, gás de aterro, gás de digestor e gás de fermentação) é o gás formado a partir da degradação anaeróbica de matéria orgânica.

Uma das vantagens do biogás assenta na sua versatilidade, o que faz dele um combustível flexível que pode ser utilizado para produzir energia elétrica, para injetar em redes de gás natural, para produzir calor ou como combustível automóvel.

O projeto está a ser implemento pela empresa Biogold, do grupo Dourogás, em parceria com a Resíduos do Nordeste/Aterro de Urjais, em Mirandela, distrito de Bragança, e representa um investimento de cerca de 1,5 milhões de euros, apoiados pelo Fundo de Apoio à Inovação.

Nuno Moreira frisou que se trata de um "projeto que tem características de inovação mundial".

Existem projetos semelhantes em outros países mas, de acordo com o responsável, "não com o caráter de tecnicidade e de inovação" do Biogasmove.

"O tipo de equipamento é mais sofisticado e permite-nos garantir mais eficiência. A vantagem essencial é que nós criamos um gás natural renovável para ser utilizado nas viaturas", sublinhou.

Neste momento, é abastecida uma pequena parte dos veículos de transporte da Resíduos do Nordeste, mas pretende-se que, no futuro, possa alargado a toda a frota.

"Nem sequer é necessária uma modificação quando existe um camião a gás natural. Este gás é completamente compatível com o gás natural que existe hoje", frisou Nuno Moreira.

O secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, disse que o Governo olha com "muita atenção" para este projeto, que foi apoiado pelo Ministério da Economia, através do Fundo de Apoio à Inovação.

"O país tem uma grande dimensão ao nível renovável de hídrica e de eólica, mas há um conjunto de outras fontes de energia renovável que são muito relevantes e que, efetivamente, vale a pena apostar nelas. É com este 'mix' mais forte que nós conseguimos não só ser mais sustentáveis do ponto de vista ambiental como do ponto de vista financeiro", referiu o governante.

Atualmente, em Portugal, o aproveitamento de biogás de aterro é feito pela sua conversão em energia elétrica, implicando emissões de dióxido de carbono (CO2) para atmosfera, perda de energia sobre a forma de calor e, ainda, um rendimento de conversão muito baixo (na ordem dos 30%).

A produção de biometano para consumo em transportes de resíduos sólidos oferece um rendimento de conversão bastante mais elevado, para além de ser uma energia renovável, limpa, ecossustentável e economicamente rentável.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon