Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Brasil terá procura por pensões de reforma maior do que a média da OCDE até 2075

Logótipo de O Jogo O Jogo 18/10/2017 Administrator

O número de pessoas que vai receber pensão em 2075 no Brasil será maior do que a média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), referiu a instituição num relatório divulgado hoje.

"Em 2015, os índices de dependência da velhice [pessoas com idade acima de 65 anos que estão fora da força de trabalho] no Brasil e na China eram metade da média da OCDE; até 2050 ambos os países chegarão rapidamente à média e, até 2075, serão maiores do que o país médio da OCDE", lê-se no relatório "Prevenção do Envelhecimento Desigual".

O estudo previu que entre 2015 e 2050 o Brasil e a China terão um aumento ano a ano de 1,8% na taxa de dependência da velhice, o dobro da percentagem registada entre 1980 e 2015.

Este facto trará importantes implicações económicas a estes dois países emergentes e um impacto no longo prazo no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) per capita, indicador usado para medir a riqueza e o desenvolvimento das nações.

A nível geral, a OCDE referiu que o acesso à saúde e os níveis de rendimento das pessoas idosas no mundo melhoraram substancialmente nas últimas décadas, aumentando a esperança de vida da população.

Nos países da OCDE, a esperança de vida cresceu em média 7,2 anos entre 1980 e 2015, com uma subida relevante de 20,5 anos na Índia e 11,3 anos no Brasil durante o mesmo período.

A OCDE previu, porém, que apesar da melhoria da esperança de vida haverá um aumento da desigualdade entre a população com idade acima de 65 anos no futuro.

"O envelhecimento desigual não é um fenómeno novo, mas enquanto a geração atual de pessoas idosas tem maiores rendimentos e menores riscos de pobreza do que as anteriores na maioria dos países, as gerações mais jovens provavelmente enfrentarão uma maior desigualdade na velhice", apontou.

Sobre esta tendência de desigualdade de renda na velhice, a organização estima que será maior nas economias emergentes, entre elas o Brasil.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon