Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Bruno Alves tem dois ídolos e não consegue optar por um

Logótipo de O Jogo O Jogo 14/04/2017 Hugo M. Monteiro
© EPA/Paolo Magni

Internacional português falou a um portal italiano sobre a primeira época no futebol italiano, ao serviço do Cagliari, e ainda teve tempo para revisitar a infância.

Bruno Alves está feliz em Itália. O defesa-central, que trocou o Fenerbahçe pelo recém-promovido Cagliari no último verão, afirmou-se como um dos indiscutíveis na equipa da Sardenha e, com a permanência na Serie A praticamente garantida, já aponta baterias à próxima temporada.

"Para mim, tem sido um período muito positivo. O objetivo inicial era para salvar a equipa da despromoção e agora estamos a trabalhar para obter o melhor resultado possível no campeonato. Não podia ter feito uma escolha melhor. (...) Quando cheguei aqui, o meu objetivo era aprender. Estou apaixonado por este campeonato. O resto depende do presidente. Ainda tenho um ano de contrato e vou trabalhar ao máximo, então vamos ver o que o futuro nos reserva", afirmou o internacional português, em entrevista ao Gianluca DiMarzio.

Sobre os ídolos de infância, Bruno Alves revelou ter dois, que sempre viu como modelos a seguir:

"Ídolo? Como uma criança, o meu pai, sem dúvida. Ele também jogou futebol no Brasil em vários clubes, incluindo o Flamengo, e depois em Portugal. Depois houve o Fernando Couto, que jogou na Seleção Nacional por muitos anos e que também jogou em Itália. Lazio, Parma, Barcelona, ??FC Porto... Durante toda a carreira foi um líder e, como um ídolo, fui aprendendo o estilo de jogo. Cresci a ver de perto o Fernando e meu pai", rematou o ex-FC Porto.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon