Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Bruno de Carvalho: "A guerrilha e as provocações constantes só nos conduzem a tragédia"

Logótipo de O Jogo O Jogo 25/04/2017 João Cardoso

Presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, assinalou os 43 anos do 25 de Abril, não deixando, todavia, de referir que " o espírito de Abril não chegou ainda a todos os recantos da sociedade portuguesa ", designadamente o futebol

"Faz hoje 43 anos que a Liberdade saiu à rua", assim começa a publicação de Bruno de Carvalho na rede social Facebook, na qual acaba por considerar que o futebol é um dos "recantos da sociedade portuguesa" onde o "o espírito de Abril não chegou ainda".

© Fornecido por O jogo

"Há ainda quem não tenha percebido, certamente por conformismo ou porque beneficia do estado actual das coisas, a necessidade imperiosa de uma revolução pacífica, porém disruptiva e estruturante, no futebol português", publicou o presidente do Sporting, reafirmando a necessidade dos regulamentos serem "revistos em linha com as leis fundamentais da República, porque ninguém pode estar ou viver acima dessas. É fundamental que haja igualdade de tratamento entre clubes, para que não haja uns que são mais iguais que outros", pode ainda ler-se.

Bruno de Carvalho volta a referir-se à morte do adepto do Sporting, atropelado junto do Estádio da Luz na madrugada anterior do dérbi com o Benfica. "Os adeptos não podem ser ignorados nem marginalizados. Mas também eles têm que saber estar à altura do momento que vivemos. Reforço por isso o apelo que já fiz, uma e outra vez, para que no Sporting CP sejamos todos capazes de não nos rebaixarmos ao nível daqueles que não sabem estar no desporto de forma digna e que valorizemos, como o temos feito, a grandeza dos nossos princípios e valores enquanto instituição centenária", escreveu numa clara alusão ao Benfica, nomeadamente ao presidente encarnado Luís Filipe Vieira.

destaquenaoperca6243356esquerda

"A rivalidade saudável é um bem comum, a guerrilha e as provocações constantes só nos conduzem a tragédias e desgraças que não podem repetir-se", referiu ainda de voltar a referir à revolução de 1974. " Tenhamos a coragem de fazer um 25 de Abril no futebol e lutemos juntos pela liberdade, transparência, verdade desportiva e dignificação do sector e dos seus agentes".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon