Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Câmara de Portalegre vai disponibilizar habitações para "atrair" médicos

Logótipo de O Jogo O Jogo 14/08/2017 Administrator

A Câmara de Portalegre vai ceder gratuitamente dez habitações a médicos especialistas que queiram fixar-se naquela região alentejana, contando esta medida com o apoio da Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano (ULSNA), foi hoje divulgado.

Para lançar este projeto no terreno, o município de Portalegre e a ULSNA vão assinar um protocolo em meados de setembro, em que ficará estipulado que a autarquia disponibilizará 10 habitações de tipologias T1 e T2.

"Nós temos dificuldades em manter médicos especialistas na região, mesmo depois da medida do Governo em dar alguns incentivos aos médicos em termos de vencimentos, mas o que é verdade é que há concursos e eles ficam desertos", lamentou a presidente da Câmara de Portalegre, Adelaide Teixeira, em declarações à agência Lusa.

A autarca explicou que a medida, que visa a fixação de médicos em Portalegre, começou a ser desenvolvida no anterior mandato autárquico, tendo agora recebido o "repto" da ULSNA no que diz respeito ao número de habitações a disponibilizar.

Contactado pela Lusa, o presidente do conselho de administração da ULSNA, João Moura Reis, considera que esta é "uma forma" dos médicos fixarem-se na região, e "não terem desculpas" para recusar exercer a sua profissão no interior do país.

"O protocolo que vai ser celebrado connosco vai ter um valor de renda simbólico por mês, mas é gratuito desde que a pessoa (médico) fique a exercer a sua profissão por um período de tempo. Caso a pessoa não fique (pelo menos por um período de 3 anos), vai ter que pagar a renda", explicou.

Adelaide Teixeira considera que esta "cláusula" visa criar "um compromisso" entre as partes, uma vez que estão a ser utilizados dinheiros públicos neste projeto.

"Nós queremos que as pessoas [médicos] tenham a noção que está a ser aplicado dinheiro público, que estamos a fazer isto para que elas se mantenham na região. Se saírem das casas antes do tempo estipulado, claro que têm esse direito a sair, mas têm que indemnizar a câmara pelo tempo que estiveram a usufruir do espaço", disse.

O presidente do conselho de administração da ULSNA, que gere os hospitais de Portalegre e Elvas e 16 centros de saúde nos 15 concelhos que compõem o distrito de Portalegre, acredita que esta medida que visa "atrair" médicos para o interior do país "é mais uma que pode vir a dar resultados" a curto prazo.

"Esta medida é mais uma que pode dar resultado. Este tipo de atrativos faz a diferença muitas das vezes", acrescentou.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon