Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Câmara de Seia contraria PAN e diz que jogo da morte do galo é feito com um ovo

Logótipo de O Jogo O Jogo 30/08/2017 Administrator

A Câmara de Seia esclareceu hoje que a "morte do galo", denunciada pelo PAN - Pessoas-Animais-Natureza como uma prática de maus-tratos a animais, consiste em partir um ovo com um pau, sendo o galo o prémio.

"A prática denunciada pelo PAN trata-se, na realidade, de uma tradição que consiste em partir um ovo com um pau, de olhos vendados, sendo o galo (vivo) o prémio para quem conseguir tal proeza", refere a autarquia de Seia em comunicado hoje enviado à agência Lusa.

A autarquia comprova a tradição da aldeia de Várzea de Meruje com o envio de um vídeo onde se vê um jogador, de olhos vendados, a tentar acertar com um pau num ovo que está colocado no solo.

"A denominada 'morte do galo' é uma tradição das Festas do Santíssimo Sacramento que ocorre na localidade de Várzea de Meruje, concelho de Seia, e que apenas no nome remete para a morte de um animal", sustenta o comunicado.

Acrescenta que a Irmandade do Santíssimo Sacramento, "face ao escalar da situação para a comunicação social, sentiu a necessidade de emitir um esclarecimento sobre a matéria, no qual reafirma não existir qualquer violência para com animais".

No esclarecimento da instituição, lê-se que o jogo em questão, apelidado de "morte do galo", "não consubstancia nenhuma violência para com os animais, já que não será morto qualquer galo".

O PAN anunciou, na terça-feira, que pretende impedir a prática da "morte do galo", anunciada para as festas do Santíssimo Sacramento, em Várzea de Meruge, no concelho de Seia, de 08 a 11 de setembro.

Em comunicado, o PAN refere que a prática, em que o galo "é agredido sucessivamente com um pau até morrer", foi denunciada junto do Ministério Público, da Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) e da Câmara Municipal de Seia, no distrito da Guarda.

Segundo o PAN, a prática, apresentada no programa das festas "na qualidade de atividade de entretenimento", ocorrerá a 11 de setembro no recinto da festa, junto à Casa do Povo de Várzea de Meruge, "local onde um galo é preso perante a assistência ao mesmo tempo que são vendadas as pessoas que se inscrevem para participar" no "'jogo'".

"Estas pessoas são chamadas uma a uma, tendo na sua posse um pau com o qual é suposto desferirem pauladas sucessivas até que o galo morra. O galo é consecutivamente agredido com o pau, agonizando lentamente fruto dos ferimentos, até que alguém finalmente o consiga matar. Quem conseguir por fim matar o galo ganha-o como prémio", explica a nota enviada à agência Lusa.

O PAN alertou ainda o Ministério Público, a DGAV e a Câmara Municipal de Seia para o incumprimento da regulamentação estabelecida para o abate de animais, "uma vez que o galo é preso pelas patas e morto à 'paulada'".

"Pedimos a intervenção urgente para que se impeça este jogo anacrónico, digno da época medieval, uma prática aterradora e atentatória do bem-estar animal que contraria claramente a legislação aplicável", refere no comunicado André Silva, deputado do PAN.

A autarquia de Seia considerou hoje tratar-se de uma "notícia infundada", esclarecendo que a mesma "é falsa e constitui um ato de 'má-fé'", concluindo que "tem como objetivo prejudicar a imagem do concelho e o bom nome" da instituição.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon