Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Câmara de Valongo estima que secundária de Ermesinde entre em obras ainda este verão

Logótipo de O Jogo O Jogo 27/07/2017 Administrator

A câmara de Valongo estima que a secundária de Ermesinde, cuja requalificação é uma das mais desejadas e discutidas no concelho, entre em obras antes do próximo ano letivo, num investimento superior a três milhões de euros.

A decisão de adjudicação para reformulação e modernização das instalações da secundária de Ermesinde será hoje discutida em reunião camarária, sendo que em causa está um equipamento escolar, com cerca de 30 anos, cuja degradação já gerou dezenas de visitas e intervenções por parte de vários partidos políticos, entrega em mão de cartas a governantes, pintura de murais, um cordão humano à volta da escola e uma vigília noturna.

"Estamos a fazer tudo, tudo, tudo, para que as obras se iniciem nas férias escolares para que o arranque do ano letivo decorra com os menores constrangimentos possíveis. Esta obra vem dar o primeiro passo para a correção de uma injustiça. Valongo foi o único concelho da Área Metropolitana do Porto, cujas escolas da responsabilidade do Governo nunca foram intervencionadas", disse o presidente da câmara de Valongo, José Manuel Ribeiro.

O autarca descreveu, à agência Lusa, que o arranque da empreitada - sendo que esta será uma primeira fase - está dependente do visto do Tribunal de Contas e que o projeto foi feito em articulação com a comunidade escolar, nomeadamente direção da escola e associação de pais.

A empreitada tem um prazo de execução de 395 dias e inclui requalificação total interior e exterior dos três blocos de aulas, ampliação do refeitório e requalificação da cantina, tratamento exterior total do edifício administrativo, construção de uma nova portaria, arranjos exteriores e reformulação dos balneários do pavilhão desportivo.

José Manuel Ribeiro acredita que nesta primeira fase de obras "mais de 70% do que é necessário fazer fique concluído".

O investimento é comparticipado em 85% por fundos comunitários, cabendo 7,5% ao Governo e 7,5% à câmara municipal.

Questionado sobre a segunda fase de obras, o presidente da Câmara de Valongo, distrito do Porto, referiu que esta está "dependente da reprogramação dos fundos comunitários, como aliás estão outras obras muito desejadas pela comunidade escolar e pela autarquia", disse.

"Contamos com a reprogramação dos fundos comunitários não só com dinheiro para a segunda fase de intervenção na secundária de Ermesinde, mas também para a escola secundária de Valongo e para a escola básica Vallis Longus ", enumerou.

O autarca aproveitou para apelar por "condições financeiras" para avançar com intervenções que diz serem "muito necessárias", acrescentando que a câmara, "se necessário for", estará disponível para custear 15% e não apenas 7,5%.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon