Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Câmara do Porto quer lançar projeto com trabalhadoras do Centro Social de Miragaia

Logótipo de O Jogo O Jogo 05/07/2017 Administrator

O presidente da Câmara do Porto desafiou hoje as funcionárias do Centro Social e Paroquial de Miragaia (CSPM) a apresentarem um projeto de ação social que ocupará instalações da autarquia, disse à Lusa a diretora pedagógica.

Segundo Carmo Marques, a reunião com Rui Moreira "pode abrir uma porta", num encontro em que o autarca "mostrou que a câmara não pode fazer nada", embora se tenha manifestado "solidário" com as trabalhadoras após a decisão da Diocese do Porto de encerrar no final de agosto o centro social

Esta Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) foi fundada em 1961 e tem atualmente 25 trabalhadoras que prestam serviço a cerca de 200 utentes em diversos domínios como creche, pré-escolar, ocupação de tempos livres, centro de dia e apoio domiciliário.

"O que ele os disse é que pode abrir uma porta, não para o Centro Social de Miragaia, que não tem futuro mas para, num espaço camarário, poder vir a criar uma instituição de solidariedade social que possa atender às necessidades daquela freguesia", relatou a responsável do CSPM.

Recusando a ideia de que o projeto seja para abranger tanto as funcionárias como os utentes da instituição, Carmo Marques afirmou que a proposta do autarca portuense visa resolver uma parte do problema.

"0 que nos deu a entender é que é um projeto que teremos de ser nós a apresentar, o espaço físico que nos foi mostrado não é grande, pelo que temos de analisar a questão, e nem é possível, acho eu, abranger as 25 trabalhadoras", disse.

E acrescentou: "basicamente, o que deu para perceber é que o assunto do Centro Social de Miragaia está encerrado, não há qualquer forma de a câmara poder ajudar. O mesmo já foi dito pelo senhor bispo, bem como as questões relativas às trabalhadoras, já que não pode nem pagar os salários em atraso nem dar as indemnizações devidas".

"É a primeira vez que não nos é fechada, totalmente, a porta", resumiu Carmo Marques da reunião com o autarca portuense.

Admitindo que a notícia "traz alguma esperança e alguma energia para poder pensar noutra possibilidade", a diretora do CSPM disse ser agora "tempo de pensar e de analisar numa altura em que o ano letivo está a terminar e as trabalhadoras muito desgastadas".

"Não nos foi dado nenhum prazo, apenas fomos sensibilizadas para a questão do orçamento da câmara para o próximo ano", observou a porta-voz de um grupo de trabalhadoras em funções até 31 de agosto.

Frisando ter sido a câmara "a única entidade que não bateu a porta", Carmo Marques considera que o projeto as "obriga a pensar, a fazer um esforço", lembrando não se tratar de "um prémio", mas antes de algo que depois ainda terá de receber "a aprovação da Segurança Social".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon